18 de abril de 2024
LUTO NA CULTURA

Morre Bariani Ortêncio, o escritor dos causos e contos goianos

Escritor estava com 100 anos; Bariani deixa grande legado para a literatura goiana e nacional; governador divulga nota
Escritor se notabilizou com obra retratando os modos do interior goiano - Foto: Acervo UFG
Escritor se notabilizou com obra retratando os modos do interior goiano - Foto: Acervo UFG

Morreu na tarde desta sexta-feira, Waldomiro Bariani Ortêncio, um dos principais escritores e folcloristas da literatura goiana e nacional. Ele havia completado 100 anos em julho, em Goiânia, cidade onde vivia desde os 15 anos. Bariani Ortêncio nasceu em Igarapava (SP) e recebeu título de Cidadão Goianiense ainda em 1968.

Ainda não há informações sobre as circunstâncias da morte, bem como velório e sepultamento.

O escritor era membro das Academias Goiana e Goianiense de Letras, e do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás. Em 2013 recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Mais de 40 livros

Autor de mais de 40 livros, Bariani Ortêncio deixou uma marca própria no seu estilo de escrever. Os contos que imortalizaram grande parte da sua obra eram frequentemente sobre causos corriqueiros que o povo do interior goiano preserva em sua memória cultural, e que ele captava de modo engraçado, vernacular e bem retratado.

Um exemplo é o célebre Vão dos Angicos, livro de contos onde se lê: “O advogado seguiu viagem, a trenheira enchendo duas bruacas, livros de Direito a maior parte. No interior seria necessário demonstrar poderio; capacidade e inteligência, nem tanto. A maior arma seriam os livros. Doutor de muitos livros na prateleira, sabedoria garantida, respeito absoluto.”

Bariani Ortêncio foi agraciado com diversas honrarias culturais pelas obras que deixou. Em 2020, quando, ele estava com 97 anos, um curta-metragem contando a história do escritor foi lançado em Goiânia pelo jornalista Edson Luiz de Almeida.

Dentista e goleiro

Entre os muitos entrevistados, uma das filhas, a também jornalista Nancy Ortêncio, e várias personalidades goianas que falaram sobre o legado que ele produziu.

Além da escrita, Bariani Ortêncio chegou a estudar odontologia, compôs várias canções gravadas por duos e trios da época, foi goleiro do Atlético Clube de futebol e fundou o famoso Bazar Paulistinha, em Campinas. O bazar se tornou líder de vendas de discos na década de 1950.  

Nota de pesar

No início da noite, o governador Ronaldo Caiado divulgou uma nota lamentando a morte do escritor:

A história de Goiás perdeu hoje um dos seus gigantes. Gracinha e eu recebemos com profundo pesar a notícia do falecimento de Bariani Ortêncio, aos 100 anos.

É impossível contar a história do nosso estado sem passar por suas palavras, pelos causos e pelo imenso repertório cultural que ele guardava e pôde compartilhar em suas obras.

Extremo conhecedor da nossa cultura e do nosso folclore, Bariani é o retrato do nosso estado. Multifacetado, foi escritor, professor, empresário, jogador de futebol, amante da música e da culinária goiana.

Neste momento de imensa dor, estamos juntos em oração para que Deus conceda a familiares e amigos todo o consolo. Nossos sinceros sentimentos.”


Leia mais sobre: / / / Goiânia

Marília Assunção

Jornalista formada pela Universidade Federal de Goiás. Também formada em História pela Universidade Católica de Goiás e pós-graduada em Regulação Econômica de Mercados pela Universidade de Brasília. Repórter de diferentes áreas para os jornais O Popular e Estadão (correspondente). Prêmios de jornalismo: duas edições do Crea/GO, Embratel e Esso em categoria nacional.