23 de junho de 2024
Política

Ministro da Saúde inaugura CAPS em Goiânia

 

O Centro de Atenção Psicossocial (Caps) da Região Noroeste será inaugurado nesta sexta-feira (23), às 16h, pelo prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, e pelo Ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Também estão confirmadas as presenças da Ministra-Chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, e da Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior. (Na foto, Padilha e Garcia na inauguração do HMDI, em 2012)

No Caps, localizado no Jardim Liberdade, vão operar duas unidades ao mesmo tempo. A primeira, que já começa a funcionar integralmente logo após a abertura, será um Caps AD, para atenção a usuários de álcool e drogas. A segunda, um Caps Tipo 3, para transtornos mentais, vai ser gradativamente implantada, até que tenha capacidade plena de atendimento 24 horas.

A perspectiva, de acordo com o coordenador da Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Sérgio Nunes, é que o serviço esteja disponível todos os dias da semana – inclusive sábados, domingos e feriados – e na totalidade em no máximo três meses. “É necessário, nesse primeiro momento, capacitar a equipe de trabalho para uma articulação maior com os demais pontos de saúde do município, que fazem o encaminhamento para o Caps e preparar para o atendimento 24 horas, sem interrupção”, destaca o coordenador.

O Caps Nororeste, o oitavo de Goiânia, vai contar com equipe multiprofissional de Nutricionistas, Assistentes Sociais, Psicólogos, Musicoterapêutas, Arteterapêutas, Terapeutas Ocupacionais, Enfermeiros, Farmacêuticos e Educadores Físicos e vai abranger uma população de mais de 200 mil habitantes. Durante toda a tarde, atividades culturais vão movimentar a região.

Funcionamento
Sérgio Nunes explica que, diferentemente do pronto socorro psiquiátrico Wassily Chuc, que funciona 24 horas e recebe demanda espontânea e emergências, o Caps tem como objetivo atender usuários vinculados à unidade e que já participam das atividades cotidianas desenvolvidas.

Com o envolvimento da família e comunidade nas atividades, o usuário cadastrado no Caps passa a ter o local como referência de inclusão social e melhoria na qualidade de vida. “Na unidade são desenvolvidas diversas oficinas e todos os usuários podem participar”, destaca o coordenador da Saúde Mental da SMS.

O Caps Tipo 3 conta com 12 leitos de acolhimento noturno e capacidade para atender de 40 a 60 pessoas por turno. Existe ainda a possibilidade de internação, em caso de necessidade, para usuários vinculados. Para a criação do vínculo, basta que o interessado ou a família procure a unidade.

(Com informações da SECOM/Goiânia

 


Leia mais sobre: Política

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .