17 de agosto de 2022
Monkeypox

Ministério da Saúde confirma primeira morte por varíola dos macacos no Brasil

O paciente de 41 anos tinha comorbidades, incluindo câncer e baixa imunidade, o que levou o agravamento do quadro
De acordo com a OMS, a taxa de letalidade do vírus é de 0% a 11%. Foto: Reprodução
De acordo com a OMS, a taxa de letalidade do vírus é de 0% a 11%. Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde confirmou nesta sexta-feira, 29, a primeira morte por varíola dos macacos registrada no Brasil. Trata-se de um paciente do sexo masculino, de 41 anos, com “imunidade baixa” e “comorbidades, incluindo câncer (linfoma)”, que levaram ao agravamento do quadro, de acordo com a pasta.

“Ficou hospitalizado em hospital público em Belo Horizonte, sendo depois direcionado ao CTI (Centro de Terapia Intensiva). A causa de óbito foi choque séptico (infecção generalizada), agravado pela monkeypox”, informou o ministério, em nota.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais informou que o paciente residente de Belo Horizonte evoluiu a óbito na quinta-feira, 28. Os outros casos confirmados da Unidade Federativa – homens entre 22 e 48 anos – estão “em boas condições clínicas”, assegurou.

Continua após a publicidade

Na quinta-feira, segundo balanço do ministério, o País acumulava 1.066 casos confirmados da doença. Os Estados com maior número de notificações são São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), casos graves, anteriormente, ocorreram mais entre crianças, jovens adultos e crianças e adultos jovens, e indivíduos imunocomprometidos, e estiveram relacionados à extensão da exposição ao vírus, estado de saúde do paciente e natureza das complicações”. A monkeypox é geralmente uma “doença autolimitada”, com sintomas que duram de 2 a 4 semanas

A taxa de letalidade, de acordo com o órgão de saúde internacional, variou historicamente de 0% a 11%. “Nos últimos tempos, a taxa de mortalidade de casos foi de cerca de 3 a 6%”, pontua. (Por Leon Ferrari/Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade