23 de maio de 2022
Eleições 2012

Mineiros: O inferno de Neiba

Do Blog Machadadas do Fernando – A pre­fei­ta de Mi­nei­ros, Nei­ba Bar­ce­los (PSDB), en­trou na po­lí­ti­ca com a fi­na­li­da­de de dar con­ti­nui­da­de à per­ma­nên­cia da fa­mí­lia no po­der. Ela foi elei­ta pe­la pri­mei­ra vez em 2004, qua­tro anos após o ma­ri­do, Ade­ral­do Bar­ce­los (PPS), ter si­do pre­fei­to do mu­ni­cí­pio. Re­e­lei­ta em 2008, im­pri­miu co­mo mar­ca de sua ges­tão a con­tra­ta­ção de pa­ren­tes pa­ra os prin­ci­pa­is pos­tos do Po­der Exe­cu­ti­vo.
Ade­ral­do é pre­si­den­te da Co­mis­são Per­ma­nen­te de Li­ci­ta­ção. Du­as fi­lhas do ca­sal, Adri­a­na e Ju­li­a­na, che­fi­am res­pec­ti­va­men­te as se­cre­ta­rias da Fa­zen­da e Pla­ne­ja­men­to e de Ação So­ci­al. O so­bre­no­me Bar­ce­los tam­bém es­tá pre­sen­te em ou­tros car­gos na pre­fei­tu­ra e na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal. Se­gun­do ve­re­a­do­res da opo­si­ção, a pre­fei­ta já te­ria em­pre­ga­do a pró­pria mãe, cu­nha­das, gen­ro e so­bri­nhos. Nei­ba jus­ti­fi­ca a con­tra­ta­ção da pro­le ale­gan­do que já te­ve pro­ble­mas com se­cre­tá­rios que não sa­bi­am se re­la­ci­o­nar com a po­pu­la­ção. Se­gun­do ela, as me­ni­nas são ta­len­to­sas e pos­su­em “per­fil téc­ni­co” pa­ra os car­gos que ocu­pam.
La­ços de fa­mí­lia
Lo­go no pri­mei­ro ano da atu­al ges­tão, a pre­fei­ta as­si­nou Ter­mo de Ajus­ta­men­to de Con­du­ta (TAC) com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co se com­pro­me­ten­do a de­mi­tir pa­ren­tes con­tra­ta­dos pa­ra car­gos co­mis­sio­na­dos. Uma de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pro­í­be con­tra­ta­ção de côn­ju­ges e pa­ren­tes até ter­cei­ro grau pa­ra car­gos co­mis­sio­na­dos, mas per­mi­te que fa­mi­lia­res se­jam apro­vei­ta­dos nos cha­ma­dos car­gos de con­fi­an­ça. Des­sa for­ma, a Jus­ti­ça fi­ca im­pe­di­da de agir no ca­so da ocu­pa­ção de se­cre­ta­rias pe­las fi­lhas da pre­fei­ta.
O MP apu­ra ocor­rên­cia de ne­po­tis­mo cru­za­do, is­to é, tro­ca de fa­vo­res en­tre Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal e pre­fei­tu­ra por meio da con­tra­ta­ção de pa­ren­tes. Nei­ba já ad­mi­tiu que tem pa­ren­tes tra­ba­lhan­do no Po­der Le­gis­la­ti­vo, mas ale­gou que não te­ve in­flu­ên­cia nas con­tra­ta­ções dos fa­mi­lia­res. No ano pas­sa­do, o MP tor­nou a ex­pe­dir re­co­men­da­ção pa­ra que ela es­co­lha 15 en­tre 30 ser­vi­do­res co­mis­sio­na­dos pa­ra se­rem exo­ne­ra­dos. Se­gun­do o pro­mo­tor de Jus­ti­ça Au­gus­to Ra­chid Reis Bit­ten­court Sil­va, foi cons­ta­ta­da exis­tên­cia de ne­po­tis­mo em to­dos os ca­sos. Ele res­sal­tou que a con­tra­ta­ção de pes­so­as de uma mes­ma fa­mí­lia pa­ra ocu­par car­gos no po­der pú­bli­co con­fi­gu­ra vi­o­la­ção à Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, além de pri­vi­le­gi­ar in­te­res­ses in­di­vi­dua­is.

Di­plo­ma cas­sa­do
As acu­sa­ções de ne­po­tis­mo não são os úni­cos pro­ble­mas que a pre­fei­ta en­fren­ta na Jus­ti­ça. Pres­tes a con­clu­ir o se­gun­do man­da­to con­se­cu­ti­vo, ela acu­mu­la ações das mais di­ver­sas na­tu­re­zas. Nos pri­mei­ros seis mes­es do atu­al go­ver­no, a pre­fei­ta e o vi­ce-pre­fei­to Ser­gis­lei Car­ri­jo ti­ve­ram seus di­plo­mas cas­sa­dos e os di­rei­tos po­lí­ti­cos sus­pen­sos por três anos sob acu­sa­ção de abu­so de po­der eco­nô­mi­co e com­pra de vo­tos na cam­pa­nha. Am­bos ain­da fo­ram mul­ta­dos em cer­ca de R$ 11 mil. A pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Flá­via Re­zen­de (en­tão no PSDB), che­gou a ad­mi­nis­trar a ci­da­de por dez di­as. Nei­ba só re­to­mou o car­go gra­ças a uma ação cau­te­lar, com efei­to de li­mi­nar, que ga­ran­tiu a per­ma­nên­cia na fun­ção até o jul­ga­men­to do mé­ri­to.
Pe­dra no sa­pa­to
Des­de os pri­mei­ros di­as no po­der, o acú­mu­lo de pro­ces­sos ju­di­ci­ais se tor­nou um in­cô­mo­do pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção com­par­ti­lha­da pe­la pre­fei­ta com o seu ma­ri­do. Em 2008, o ju­iz Rui Car­los de Fa­ria de­ter­mi­nou que a do­a­ção de áre­as pú­bli­cas fei­ta pe­la pre­fei­ta em tro­ca de vo­tos fos­se sus­pen­sa. Inú­me­ros in­qué­ri­tos e pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos já fo­ram aber­tos pa­ra apu­rar uso da má­qui­na pú­bli­ca em be­ne­fí­cio pes­so­al, cri­mes de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, li­ci­ta­ções frau­du­len­tas e fal­ta de tran­spa­rên­cia na uti­li­za­ção dos re­cur­sos pú­bli­cos.
No co­me­ço des­te ano, o ma­ri­do da pre­fei­ta, ocu­pan­do uma es­tra­té­gi­ca Co­mis­são de Li­ci­ta­ção da Pre­fei­tu­ra de Mi­nei­ros, foi acu­sa­do jun­ta­men­te com a com­pa­nhei­ra de li­be­rar com­pra ile­gal de emul­são as­fál­ti­ca no va­lor de R$ 325, 42 mil. Na ação, o MP pe­de que am­bos se­jam con­de­na­dos a pa­gar da­nos mo­ra­is cau­sa­dos ao mu­ni­cí­pio, além de mul­ta de R$ 100 mil. No mês pas­sa­do, a Jus­ti­ça re­ce­beu pe­di­do pa­ra blo­que­ar os bens da pre­fei­ta, do ma­ri­do e da fi­lha Ju­li­a­na, se­cre­tá­ria de Ação So­ci­al. Des­ta vez, a fa­mí­lia foi acu­sa­da de lo­car ile­gal­men­te um pré­dio de pro­pri­e­da­de do su­pe­rin­ten­den­te de Ha­bi­ta­ção, Vil­mar Pe­rei­ra Sou­sa, pa­ra re­tri­bu­ir apoio fi­nan­cei­ro re­ce­bi­do na cam­pa­nha. Ape­sar da es­tru­tu­ra pre­cá­ria do imó­vel, que não con­ta­va com pia, ti­nha mo­fo nas pa­re­des, por­tas que­bra­das e ins­ta­la­ções elé­tri­cas ex­pos­tas, eles ar­gu­men­ta­ram que o lo­cal abri­ga­ria um abri­go pa­ra cri­an­ças. Em res­pos­ta, Nei­ba afir­mou que o ór­gão es­ten­de “su­as gar­ras” so­bre a ad­mi­nis­tra­ção com o ob­je­ti­vo de im­por uma der­ro­ta po­lí­ti­ca.


Visite o www.machadadasdofernando.blogspot.com

Continua após a publicidade

Leia mais sobre:
Eleições 2012