27 de maio de 2022
Atlético Goianiense

Meia analisa a queda de rendimento no Atlético

Willian Schuster - Atlético. (Foto: Juliano Moreira)
Willian Schuster - Atlético. (Foto: Juliano Moreira)

Depois do clássico do 1º turno contra o Goiás (2×2), o Atlético realizou quatro partidas no Campeonato Goiano. O futebol de qualidade que chamou a atenção nas primeiras rodadas, não foi repetido.

A equipe rubro negra empatou com o Itumbiara (0x0), venceu o Trindade (1×0), empatou com o Crac (0x0) e perdeu para o Anápolis (1×0). Foram doze pontos disputados e apenas cinco conquistados.

É notório que o rendimento rubro negro caiu e as cobranças por parte da torcida, comissão técnica e diretoria começaram.

Continua após a publicidade

Titular nos últimos jogos, por causa da contusão do volante Pedro Bambu, o meia Willian Schuster fez uma avaliação das críticas que o elenco vem recebendo.

“No futebol você é cobrado todos os dias, não tem como fazer um jogo bom e depois relaxar e achar que já fez tudo que tinha que ser feito. Temos que demonstrar em cada treino, em cada domingo que você entra em cada jogo. Você tem que render igual. Geralmente quando perde é assim, o torcedor cobre e nós também viemos cobrando porque não gostamos de perder”.

A excelente impressão causada nos primeiros jogos e a invencibilidade durante nove rodadas foram os motivos, no entendimento do meia para tanta cobrança. “Estamos oscilando, a gente criou essa expectativa porque ganhamos jogos seguidos e ficamos invictos um bom tempo. Agora cabe a nós ficar responsável por essa expectativa que criamos. É nosso dever voltar a conquistar essa vitórias e conseguir render de novo o que estávamos conseguindo nos primeiros jogos”

Continua após a publicidade

Clássico

No 1º Turno, Atlético e Goiás, foi considerado o principal jogo até o momento no Goianão. As duas equipes voltam a se enfrentar no sábado (12), as 16 horas.

Willian Schuster está ansioso pelo confronto e ressalta a qualidade do Serra Dourada como palco para o clássico.

“É um jogo especial, o primeiro clássico foi muito bom. Um jogo bem jogado, espero que seja assim novamente, até porque campo de dá essas condições, diferente do que aconteceu nos últimos jogos que estava parecendo um tapete, mas chegava lá dentro era difícil de tocar a bola e isso dificultou para o nosso time que é mais de toque”.

Leia mais sobre:
Atlético Goianiense