29 de fevereiro de 2024
Lênia Soares

Marconi diz que decide a partir de abril. Vai esperar Iris e Gomide

 

O governador do Estado, Marconi Perillo (PSDB), marcou data para decidir se será, ou não, candidato. Poderia ser em março, ou em junho, mês das convenções. Será a partir de abril. Logo depois da decisão do prefeito de Anápolis, Antônio Gomide (PT), se disputará o pleito pelo Executivo goiano.

O veredito foi dado aos aliados, aflitos quanto ao futuro de suas postulações.

Marconi vai aguardar a evidência se haverá, de fato, aliança entre PT e PMDB. E consequentemente, se o ex-governador Iris Rezende (PMDB) vai retomar o caminho da velha batalha.

Por enquanto está em vantagem. O tucano, teoricamente, tem tempo para aguardar e sua base para escolher um novo nome para a disputa. Claro, se for o caso.

E para o ‘plano B’ – apesar do discurso de inexistência – governistas já cavam espaço próprio. Um dos cotados para a vaga é o vice-governador José Éliton Júnior (PP). Ele tem até agenda própria pelo interior de Goiás.

O vice chegou a ser anunciado no fim do ano passado por Marconi Perillo como o “sucessor natural”. Mas, conseguirá José Éliton segurar o PTB de Jovair Arantes e José Gomes?

Na fila de espera seguem ainda com Perillo, Vilmar Rocha (PSD) e Giuseppe Vecci (PSDB). Todos ansiosos por uma oportunidade do ‘pulo do gato’.

Nesse caso hipotético, a dúvida seria sobre o papel que Marconi poderia desempenhar na sucessão. Coordenaria o processo ou ficaria à margem?

Em outros tempos, as dúvidas foram vantajosas para o governador. Hoje, cria insegurança em sua base e faz aumentar, por exemplo, a guerra interna por uma vaga no Legislativo.

Na tarde de terça, 25, o líder do governo na Assembleia, deputado Fábio Sousa (PSDB), reclamou da falta de quórum para as votações e dos aliados “que só querem viajar”.

A queixa não a primeira. José Vitti (PSDB) também criticou os “viajantes” da situação.

Se não há convicção de vitória, é melhor me garantir”, afirmou outro deputado aliado.

E um resultado evidente dos conflitos foi a reforma no secretariado. Era para ser uma solução cobrada pelos parlamentares, já virou alvo de novas reivindicações.

Enquanto isso, Iris Rezende começa a se mexer. Seu tempo, porém, é outro. É menor. Precisa antecipar Gomide e ganhar Júnior do Friboi.

No momento, estão todos contra o tempo. 

 


Leia mais sobre: / / Lênia Soares