27 de maio de 2022
Brasil • atualizado em 12/02/2020 às 23:51

Malote e caixa são apreendidos pela PF no escritório de Cunha

Mandados de busca e apreensão foram cumpridos nesta terça-feira (15). (Foto: Agência Brasil)
Mandados de busca e apreensão foram cumpridos nesta terça-feira (15). (Foto: Agência Brasil)

 

Continua após a publicidade

A Polícia Federal cumpriu novos mandados de busca e apreensão na residência e no escritório do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), em nova fase da Operação Lava Jato, nesta terça-feira (15). Ao todo, foram cumpridos 14 mandados do Rio de Janeiro, nove no Distrito Federal, 15 em São Paulo, seis no Pará, quatro em Pernambuco, dois em Alagoas, dois no Ceará e um no Rio Grande do Norte.

Agentes da PF chegaram à casa do deputado federal, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, por volta das 6h e deixaram o local às 10h. No escritório, localizado no centro do Rio, a Polícia Federal saiu por volta das 12h. No local, apreenderam um malote e uma caixa.

Continua após a publicidade

Cunha é investigado na Operação Lava Jato por corrupção, lavagem de dinheiro e por receber suborno pela intermediação de contratos superfaturados. O presidente da Câmara também responde processo por manter contas ilegais no exterior.

Os mandados foram autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Foram determinadas buscas nas residências de investigados, locais onde trabalham, sedes de empresas, escritórios de advocacia e até órgãos públicos.

Em Brasília, foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa de Cunha e em endereços dos ministros do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB), e de Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera (PMDB).

Além destes, foram alvos da Operação o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB), o senador Edison Lobão (PMDB), senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), a chefe de gabinete de Cunha, Denise Santos, e o ex-vice-presidente de Fundos do Governo e Loterias da Caixa, Fábio Ferreira Cleto, que foi exonerado pela presidente Dilma Rousseff (PT) na semana passada. 

Com informações da Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre:
Brasil