13 de julho de 2024
Eleições • atualizado em 30/09/2022 às 15:14

Major Vitor Hugo é o único candidato a governador que não assinou termo da OAB-GO contra fake news

O documento tem como objetivo estabelecer o compromisso de "boas práticas eleitorais, consistentes na não produção, divulgação, disseminação, ou mesmo estímulo, de conteúdos que configurem desinformação"
Major Vitor Hugo, deputado federal e candidato a governador pelo PL (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
Major Vitor Hugo, deputado federal e candidato a governador pelo PL (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

A dois dias da realização do primeiro turno das eleições, o deputado federal Major Vitor Hugo (PL) é o único candidato a governador que não assinou um termo de compromisso da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO) sobre combate às fake news e das “boas práticas eleitorais”.

O presidente da Comissão Comissão Especial de Combate à Desinformação e Corrupção Eleitoral, Samuel Balduíno, confirmou ao Diário de Goiás que todos os demais governadoriáveis assinaram o documento, inclusive em nome das coligações que representam. Desde o início do pleito, o convite vem sendo feito aos candidatos. O último que assinou o termo foi o da Professor Pantaleão (Unidade Popular).

LEIA TAMBÉM: Carta de compromisso ao combate a fake news leva maior responsabilidade ao candidato, avalia presidente de Comissão da OAB

Antes dele, Professora Helga (PCB), Wolmir Amado (PT), Cíntia Dias (PSOL), Ronaldo Caiado (União Brasil), Gustavo Mendanha (Patriota) e Edigar Diniz já haviam assinado o termo de compromisso elaborado pela OAB-GO.

O documento tem como objetivo estabelecer o compromisso de “boas práticas eleitorais, consistentes na não produção, divulgação, disseminação, ou mesmo estímulo, de conteúdos que configurem desinformação ou, ainda, praticar durante a campanha atos, de qualquer natureza, considerados pelo ordenamento jurídico brasileiro como ilícito, ilegal ou irregular, tidos, portanto, como corrupção eleitoral”.

Os signatários da carta se comprometeram em “privilegiar, na organização de eventos políticos, assim como na concessão de entrevistas e na publicação de artigos de opinião em veículos de imprensa”, temas como “a integridade das eleições brasileiras, a imprescindibilidade do patrimônio democrático, o papel da Justiça Eleitoral como instituição garantidora da democracia, a tolerância política e a legitimação do pensando divergente como aspectos indispensáveis à preservação da paz social”.

O texto também fala em “conscientizar a população a respeito da ilegalidade e da nocividade das práticas de desinformação” e “difundir, externa e internamente, na medida do possível, por intermédio de seus múltiplos canais, informações adequadas sobre o processo eleitoral de 2022, incluindo serviços úteis ao eleitor”.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa de Major Vitor para saber se ele pretende assinar o termo ou, se não pretende, por quais motivos. Porém, não houve retorno até o fechamento dessa matéria. O espaço segue aberto para manifestação.


Leia mais sobre: / / / / Política