07 de agosto de 2022
Sem consenso

“Machismo estrutural” prejudicou união da esquerda em Goiás, diz presidente estadual do PSOL

Cíntia Dias afirmou que "as amizades e o bom trato às mulheres partidárias ficam somente para a execução de secretariado"
Segundo Cíntia Dias, "a própria esquerda demonstra sua inquietação em ver uma camarada voando" (Foto: Reprodução)
Segundo Cíntia Dias, "a própria esquerda demonstra sua inquietação em ver uma camarada voando" (Foto: Reprodução)

A presidente do PSOL em Goiás e pré-candidata a governadora, Cíntia Dias, declarou, em nota, que o “machismo estrutural” prejudicou a união de setores da esquerda no estado.

“Quero ressaltar que o PSOL buscou desde o início a formação de uma Frente de Esquerda para o pleito que se aproxima. Aprovamos um documento internamente e o apresentamos tanto ao PCB quanto à UP. A questão aqui é outra, o machismo estrutural isola a candidatura de mulheres”, disse.

“A própria esquerda demonstra sua inquietação em ver uma camarada voando. As amizades e o bom trato às mulheres partidárias ficam somente para a execução de secretariado. Mas, nos rebelamos, ousamos e fugimos da caixinha máscula, opressora e misógina”, complementou a presidente estadual do PSOL.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: UP lançou candidaturas próprias por não se ver representada em outras frentes, diz presidente do partido em Goiás
LEIA TAMBÉM: Com três pré-candidaturas femininas em chapas majoritárias, analistas avaliam urgência em corrigir conjuntura política

Cíntia Dias se classificou como “uma das transgressoras deste modo machista de operar a política tanto no espectro da direita, quanto, infelizmente, na esquerda”. E finalizou: “Por todas não vou recuar”.

O PSOL, que também conta com Manu Jacob como pré-candidata ao Senado, está em uma federação com a Rede. Os partidos têm convenção em conjunto marcada para o próximo domingo (30/07), às 14 horas.

Continua após a publicidade