24 de maio de 2024
Política

Livro diz que Bolsonaro só tomava água da torneira por medo de ser envenenado

Jair Bolsonaro, presdiente, no hospital. Cobrança à PF (foto divulgação)
Jair Bolsonaro, presdiente, no hospital. Cobrança à PF (foto divulgação)

O livro Tormenta, da jornalista Thaís Oyama, será lançado em breve, mas já teve alguns trechos antecipados por alguns veículos de imprensa. Um deles, revelado pelo Uol, destaca que o presidente Jair Bolsonaro, quando morava em um apartamento em Brasília, tomava apenas água da torneira por medo de ser envenenado.

De acordo com a obra, cuja pesquisa se baseia em relatos de interlocutores, tanto o presidente quanto o filho Carlos Bolsonaro, chamado de Zero Dois, sofrem de mania de perseguição. Carlos, conforme os relatos, toma remédio para controlar o humor.

Tormenta diz que o filho, vereador do RJ, tem grande admiração pelo pai e, ao enxergar qualquer chance de conspiração, vai ao ataque, via Twitter, sem nenhum pudor.

Em certas situações, de acordo com o livro, Carlos ameaça sumir e, às vezes, some, quando contrariado pelo pai. Jair, por sua vez, fica transtornado com essas situações, preocupado com que o filho faça besteiras. Um exemplo citado na obra é de quando o então candidato a presidente decidiu indicar Gustavo Bebianno à Secretaria-Geral da Presidência. Carlos teria desaparecido e cortado comunicação com Bolsonaro, que teria ficado fora de si.

Outro trecho do livro diz que o presidente cogitou demitir o ministro da Justiça, Sergio Moro, após ele criticar a decisão do STF de suspender as investigações contra o senador Flávio Bolsonaro. Jair teria sido dissuadido pelo ministro Augusto Heleno.

Presidente rebate

Na live desta quinta-feira (16), Jair Bolsonaro criticou a obra, dizendo que os jornalistas agora passaram da distorção para invenção de fatos. O presidente ainda disse que a autora de Tormenta, que tem ascendência asiática, morreria de fome no Japão.

Ele também leu o título da matéria do jornal O Globo, que diz: “Ministro Augusto Heleno convenceu Moro a não demitir Sergio Moro” e ironizou. “Parabéns ao Globo online”. Pouco tempo depois, o portal corrigiu a chamada para “Ministro Augusto Heleno convenceu Bolsonaro a não demitir Sergio Moro”.

 


Leia mais sobre: / Política