13 de agosto de 2022
Eleições 2022 • atualizado em 03/08/2022 às 09:06

Lissauer Vieira oficializa desistência da disputa ao Senado

Em nota enviada à imprensa nesta quarta-feira (03), o presidente da Alego destacou que o momento exige união e fortalecimento da chapa, e, ainda, que é preciso agregar força à base aliada
Em seu pronunciamento, além de retirar a sua pré-candidatura ao Senado Federal pelo PSD, Vieira esclareceu ainda que não disputará nenhum outro cargo nas eleições de 2022. (Foto: Divulgação)
Em seu pronunciamento, além de retirar a sua pré-candidatura ao Senado Federal pelo PSD, Vieira esclareceu ainda que não disputará nenhum outro cargo nas eleições de 2022. (Foto: Divulgação)

O Presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Lissauer Vieira oficializou a desistência da disputa ao Senado. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (03), em comunicado enviado à imprensa, como antecipado pelo Diário de Goiás nesta terça-feira (02). Em nota, o até então pré-candidato destaca que, diante da decisão de candidaturas avulsas ao Senado Federal, o entendimento, em conjunto, foi de que o momento precisaria ser de união e fortalecimento da chapa, e não de divisão e, ainda, que é preciso agregar força à base aliada.

Em seu pronunciamento, além de retirar a sua pré-candidatura ao Senado Federal pelo PSD, Vieira esclareceu ainda que não disputará nenhum outro cargo nas eleições de 2022. Ele detalha que, desde o falecimento de seu pai, Carlos Vieira, no começo deste ano, havia tomado a decisão de não ser candidato nesse pleito eleitoral, decisão que definiu como dura, à época e que o levou a recuar do então projeto a deputado federal.

Apesar disso, Vieira ressalta que ocorreu que, no início de abril, após a filiação ao PSD e atendendo ao pedido da maioria dos colegas deputados estaduais, prefeitos e vereadores da base e também de diversas lideranças políticas de todo o estado, ele aceitou, inicialmente, o chamado do grupo para a pré-candidatura ao Senado. “Ocupei o espaço a pedido do PSD, considerando a aliança da legenda com a chapa majoritária para a reeleição do governador Ronaldo Caiado; e principalmente, o meu histórico de trabalho e compromisso com os mais de 7 milhões de goianos”, diz, em um trecho do comunicado.

Continua após a publicidade

Segundo ele, diante da decisão de candidaturas avulsas ao Senado Federal, o entendimento conjunto foi de que o momento é de união e fortalecimento da chapa, não de divisão. “Precisamos agregar força à base aliada, consolidando o grupo em prol de um bem maior, que é cuidar do nosso estado”, afirma, ressaltando ainda que sempre honrou as oportunidades que teve, mas que também sabe reconhecer quando não é o momento ideal para avançar. “Sou grato a todo apoio que tenho recebido desde que anunciei que aceitaria esse desafio. Mas tudo tem o tempo e a hora certa para acontecer”, frisa.

Alternativa

Neste cenário, o presidente do PSD goiano, Vilmar Rocha, está sendo convencido a disputar a vaga no Senado Federal no lugar de Lissauer Vieira. Até então, ele deveria ser o primeiro suplente do então pré-candidato, e, agora, se tornou a última alternativa para a legenda consolidar seu projeto de bancar uma candidatura ao Senado nas eleições em 2022. Essa possibilidade está à mesa da cúpula do partido, segundo apurado pelo Diário de Goiás nesta terça-feira (02).