30 de maio de 2024
Cidades • atualizado em 13/06/2022 às 10:16

Júri do caso Valério Luiz de Oliveira tem início nesta segunda-feira (13)

Foto: Reprodução/Puc TV
Foto: Reprodução/Puc TV

Acontece na manhã desta segunda-feira (13), o júri dos acusados pela morte do radialista Valério Luiz de Oliveira. São submetidos ao julgamento do caso o empresário Maurício Sampaio, tido como mandante do crime, Ademá Figueredo Aguiar Filho, sargento da Polícia Militar e suposto atirador, Djalma Gomes da Silva, Urbano de Carvalho Malta e Marcus Vinícius Pereira Xavier, apontados como articuladores.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), a audiência tem hora apenas para começar, às 8h30, com pausas para almoço e jantar, mas suas interrupções diárias dependerão do magistrado, que levará em conta o andamento do julgamento.

Trata-se da continuidade da primeira sessão do júri, que, após adiamentos, chegou a ser iniciada, mas foi abandonada pela defesa de Maurício Sampaio, o advogado Luiz Carlos da Silva Neto, que já havia afirmado, antes da audiência, que entraria com ações junto ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) solicitando o afastamento dos promotores da acusação e do juiz que conduziria o julgamento. Ele alegou que deixaria a sessão caso não tivesse seu pedido acatado. Nesta segunda, entretanto, réu e defesa se encontram no julgamento.

LEIA TAMBÉM: Após dez anos, Maurício Sampaio volta a dizer que não tinha motivos para matar Valério Luiz: “Grande armação”

Valério Luiz foi morto no dia 5 de julho de 2012, na porta da Rádio 820 AM, atual Rádio Bandeirantes, onde a vítima trabalhava como comentarista esportivo. Segundo denúncia feita pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), o assassinato foi motivado devido aos constantes comentários críticos de Valério Luiz à diretoria do Atlético Clube Goianiense.

A sessão acontece no Plenário do TJGO, localizado na Avenida Assis Chateaubriand, no Setor Oeste, e conta com a presença dos promotores Maurício Camargo, Renata Souza e Sebastião Martins, além de sete jurados e 30 testemunhas, sendo cinco de cada réu e cinco do Ministério Público de Goiás (MP-GO).


Leia mais sobre: / / / / Cidades