27 de fevereiro de 2024
POLÊMICA

Jovem expõe embate com proprietária de restaurante japonês: “pior japa de Goiânia”

Em um relato de duas partes, a jovem detalha sobre o tratamento que recebeu da proprietária, forma de pagamento e péssima experiência
Segundo a jovem, tudo começou quando ela fez uma avaliação negativa no Google. (Foto: Reprodução)
Segundo a jovem, tudo começou quando ela fez uma avaliação negativa no Google. (Foto: Reprodução)

Uma jovem utilizou o TikTok para expor o embate que teve com a proprietária de um restaurante de comida japonesa de Goiânia, após avaliar negativamente o estabelecimento. No vídeo, Caylani Saraiva afirmou que foi ao Rizu Meru para conhecer e experimentar a comida do lugar que, segundo ela, “se diz o restaurante dos famosos”, mas que se surpreendeu de forma bastante negativa, tanto pela apresentação e gosto dos alimentos, como pela atitude da proprietária diante da crítica.

“A comida já chegou muito estranha, eu fui comer e achei péssimo. O carpaccio estava com gosto de ranço no final, o sunomono nem temperado direito estava, parece que era só a fatia de cenoura com pepino, mas não tinha nada mais. O arroz estava totalmente papado, não dava nem para ver os grãozinhos de arroz. Assim, estava ruim, estava péssimo. A parte dos fritinhos totalmente sem sal e sem gosto”, inicia.

Em seguida, a jovem diz que ficou “chocada” porque não conseguiu comer nada. Caylani revela que estava com o namorado e, diante da experiência negativa, chamaram a atendente e inventaram uma história para ir embora sem dizer que estava ruim. “A gente falou que tinha um compromisso muito sério, tinha acontecido um imprevisto e a gente precisava ir embora e perguntamos qual o valor das peças que ela já tinha trazido, porque era um rodízio”, diz.

Segundo a jovem, a atendente afirmou que aquele era o rodízio e que, dali para frente, seriam as reposições. Então, Caylani e o namorado disseram que não haviam gostado da comida, mas que pagariam inteiro caso não tivesse jeito.

Sobre a forma de pagamento, a jovem chama atenção para um detalhe. O rodízio estava em promoção, que seria R$ 100 para o casal, mas o pagamento teria que ser feito no dinheiro, caso fosse no Pix o valor seria de R$ 140.

Crítica

De acordo com a jovem, ela apenas pagou pelo consumo e foi embora do estabelecimento, deixando a avaliação do restaurante japonês pelo Google. No comentário, Caylani elogiou a atendente, mas não conseguiu comer as peças do rodízio.

“Não consegui comer nada, infelizmente fui embora com fome pois estava tudo ruim, o carpaccio estava super feio e rançoso, os fritinhos sem sal e sem gosto. Até o Gukan que é meu preferido estava ruim. Os sushis todos com aquele arroz papado. A parte boa foi a atendente que foi uma fofa! Super compreensiva e prestativa. Mas infelizmente joguei meu dinheiro fora pois não comi nada e paguei o rodízio inteiro”, comentou.

Como resposta, a proprietária do restaurante disse que tem uma lista enorme de pessoas que ficaram satisfeitas com o estabelecimento e que seria um prazer devolver o dinheiro caso averiguassem que as alegações são verdadeiras.

“Infelizmente nem Jesus agradou a todos. Mas temos uma lista enorme de satisfeitos. Entre em contato no direct que será um prazer devolver o seu dinheiro quando averiguarmos se suas alegações são verdadeiras. Pois temos um controle de qualidade eficiente, pagamos por nutricionista e ainda mandamos amostras para laboratório justamente para nos defender de cliente com inverdades sobre a comida do restaurante. Será um prazer resolver. Nossa equipe de qualidade entrará em contato no Instagram. Pela foto dá para ver que você comeu quase tudo”, retrucou.

A jovem disse ter se sentido ofendida e foi até o direct do restaurante para dar uma dica, sugerindo que ela aceitasse as críticas e melhorasse o estabelecimento, sem ficar na defensiva. “Eu expliquei que tinha comido quase todas as peças porque eu estava lá justamente para conhecer o restaurante. Ela disse que eu estava sendo ofensiva e me ameaçou de processo, me chamou de mal-educada, disse que o que eu aleguei era sério e que ela ia me processar”, afirmou.

Então, Caylani disse para que a proprietária retirasse o restaurante do Google já que não queria receber avaliações. A mulher afirmou que queria avaliação honesta, momento que a jovem questiona se avaliação honesta é apenas elogio.

Outras avaliações

Na parte dois do relato, em um outro vídeo publicado na mesma rede social, a jovem disse que a proprietária do restaurante disse para ela não voltar ao restaurante e que chamou o dinheiro que foi pago pelo rodízio de “miséria” e a chamou de lixo. Após o tratamento péssimo por parte da dona do estabelecimento, Caylani foi até os stories do Instagram para contar o acontecido e acabou recebendo relatos de outras pessoas.

“Opa, e parece que não sou só eu que não gostei. Olha aqui que legal, eu recebi bastante relato. Nossa, mas que tanto de avaliação ruim é essa no Google? Depois que eu fui ver as respostas dela são todas chamando o povo de invejoso. A pessoa vai lá, avalia mal e ela fala ‘somos simples, mas temos a melhor qualidade e o melhor preço de Goiânia’. O preço realmente é bem barato, mas às vezes o barato sai caro porque a qualidade não temos”, diz em tom de deboche.

A jovem ainda reforça que as pessoas utilizam a ferramenta para avaliar o restaurante e não para fazer ataque pessoal. “Aí ela pega e fala que as pessoas estão maldosas, não aguentam ver o sucesso alheio. Uma pessoa avalia e ela ‘mentira! Nosso atendimento é excelente! Mais um hater tentando prejudicar a empresa’. Amiga, ninguém quer prejudicar você, as pessoas estão avaliando seu estabelecimento”, afirma no vídeo.

Cliente oculto

Segundo a jovem, mesmo diante das avaliações negativas, ao invés de melhorar o estabelecimento, a proprietária cria um cliente oculto, que consiste em falsas avaliações positivas. “Recebi esse print aqui e você ganharia um rodízio de graça se fosse seguir o perfil, elogiar, dar avaliação no Google com cinco estrelas, fazer comentários positivos e curtir as fotos”, relata mostrando um print ao fundo.

No print, a pessoa diz que a avaliação deve ser feita depois de comer e que achou estranha a atitude. Prontamente, a proprietária responde dizendo que não tem nada de estranho e que estão fazendo um cliente oculto. “Sua opinião é sua experiência ou algo que você vai viver”, tenta convencer.

Pagamento no dinheiro

Sobre o detalhe reforçado pela jovem no primeiro relato, o pagamento no dinheiro seria apenas R$ 100, devido a promoção, e no Pix seria R$ 140. Segundo ela, não é sempre que aceitam Pix e que, muitas vezes, é apenas no dinheiro vivo. “O garçom dela nos falou que só recebe dinheiro para não ter problema em pagar imposto, ou seja, ela te induz a pagar no dinheiro vivo para ela não ter que declarar aquele dinheiro, para não pagar imposto”, relata.


Leia mais sobre: / / / Variedades

Maria Paula

Jornalista formada pela PUC-GO em 2022 e MBA em Marketing pela USP.