26 de maio de 2024
Conclusão

Investigação da PF conclui que Bolsonaro cometeu crime ao divulgar falsas informações sobre Covid

Na live que foi ao ar em outubro de 2021, Bolsonaro associa a vacinação contra Covid-19 ao desenvolvimento da Aids. Com fim do foro privilegiado, inquérito poderá ser remetido à primeira instância
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A investigação da Polícia Federal (PF) concluiu que o presidente Jair Bolsonaro (PL) cometeu crime ao associar a Aids com a vacinação contra Covid-19. Em vídeo, que foi ao ar em outubro de 2021, Bolsonaro afirma, sem provas, que relatórios do Governo do Reino Unido teriam mostrado que pessoas que se vacinaram contra Covid desenvolveram Aids.

De acordo com a PF, o relatório da investigação foi encaminhado ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, com a conclusão apontando que o presidente cometeu crimes contra a paz pública e incitação da prática de crimes. O vídeo foi excluído pelo Youtube, e das redes sociais Facebook e Instagram, por violar diretrizes das plataformas, ao trazer desinformações médicas.

Investigação

O inquérito foi aberto a partir da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. O presidente foi intimado a depor à PF, mas optou por permanecer calado. Apesar disso, a corporação entendeu que não houve comprometimento da apuração. Essa situação foi apenas uma das várias desinformações propagadas pelo presidente durante a pandemia de Covid-19.

Após o fim do foro privilegiado de Bolsonaro, com a finalização do mandato presidencial, o inquérito em questão, assim como outras investigações, poderão ser remetidos à primeira instância.

Com informações do Estadão Conteúdo


Leia mais sobre: / / Política

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.