24 de maio de 2024
Economia

Intenção de Consumo das Famílias tem aumento de 2,1% em outubro, aponta CNC

O nono aumento consecutivo de 2022 é resultado da deflação, geração de empregos e transferência de rendas
A intenção de consumo cresceu mais em famílias de baixa renda. Foto: Reprodução/Agência Brasil
A intenção de consumo cresceu mais em famílias de baixa renda. Foto: Reprodução/Agência Brasil

A pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgada nesta quinta-feira (20), aponta crescimento de 2,1% da Intenção de Consumo das Famílias (ICF) em outubro deste ano. A nona alta consecutiva em 2022.

De acordo com a CNC, o aumento do indicador nos últimos levantamentos é resultado do crescimento do emprego formal, das transferências de renda e das contratações de crédito, além da deflação. Dos 7 componentes da ICF, as maiores altas foram no nível de consumo atual, 4,1% e na perspectiva de consumo, 2,5%.

Os outros componentes do ICF também tiveram aumento: momento para a compra de bens duráveis (2,1%), renda atual (2,1%), acesso ao crédito (1,9%), emprego atual (1,5%) e perspectiva profissional (1,2%). Comparando com o outubro do ano passado, o crescimento chegou a 18,9%.

O levantamento ainda apontou que a intenção de consumo cresceu mais nas famílias brasileiras de baixa renda, que ganha até dez salários mínimos. Um aumento de 2,2% em comparação com setembro deste ano e 20,4% em relação a outubro do ano passado. Entre as famílias que ganham mais de 10 salários mínimos, esses valores foram de 1,7% e 13,7%, relacionadas a setembro de 2021 e outubro de 2022, respectivamente.

(Com informações da Agência Brasil)


Leia mais sobre: / / Brasil / Economia