28 de novembro de 2023
Desdobramentos • atualizado em 17/10/2023 às 19:44

Igreja evangélica que pode ser investigada por ‘cura gay’ após morte de Karol Eller é de Rio Verde

A Igreja Assembleia de Deus Rio Verde, supostamente, seria a responsável pelo retiro de conversão de jovens homossexuais
Karol Eller teria frequentado o retiro de "cura gay" um mês antes de sua morte. Foto: Reprodução
Karol Eller teria frequentado o retiro de "cura gay" um mês antes de sua morte. Foto: Reprodução

A Igreja Assembleia de Deus de Rio Verde, responsável pelo retiro para conversão de jovens homossexuais e bissexuais, denominado “Maanaim”, será investigada por supostamente promover a prática de “cura gay”. O pedido de investigação foi protocolado no Ministério Público Federal (MPF) pelos deputados federais do PSOL Erika Hilton (SP), Pastor Henrique Vieira (RJ) e Luciene Cavalcante (SP).

O solicitação ocorre após a morte da influenciadora Karol Eller, que morreu em São Paulo, no último dia 12 de outubro, um mês após anúncio de sua “conversão”. Na ocasião, Eller publicou um relato em que afirmava renunciar à “prática homossexual” e aos “vícios”, para “viver em Cristo”. Conforme a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, a morte foi registrada pela polícia como suicídio.

O retiro de “cura gay” teria sido frequentado pela influenciadora, que enfrentava uma longa batalha contra a depressão. Na representação, os deputados sugerem que seja movida uma ação do MPF contra a Igreja Assembleia de Deus Rio Verde pelos crimes de tortura psicológica, homotransfobia e incitação ao suicídio.

Conforme os deputados do PSOL, o retiro “Maanaim” acontece ainda em outras regiões do país. O grupo pede que o MPF também investigue as empresas e profissionais envolvidos nas atividades de “cura gay” e suspendam a prática do retiro, vedada pelo Conselho Federal de Psicologia.

Com informações da Folha de S.Paulo


Leia mais sobre: Variedades

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.