10 de agosto de 2022
Eleições

Gustavo Sebba diz que Lissauer Vieira “é um bom nome” para estar na chapa com Marconi Perillo

Deputado estadual defende que o pré-candidato a governador do PSDB tenha "liberdade para dialogar" a fim de preencher as vagas de vice e senador
Para Gustavo Sebba, o objetivo deve ser buscar aliados com "projetos para o estado, e não projetos pessoais" (Foto: Hellenn Reis/Alego)
Para Gustavo Sebba, o objetivo deve ser buscar aliados com "projetos para o estado, e não projetos pessoais" (Foto: Hellenn Reis/Alego)

O deputado estadual Gustavo Sebba (PSDB) disse, em entrevista ao Diário de Goiás, que o presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego), Lissauer Vieira, “é um bom nome” para estar na chapa do ex-governador Marconi Perillo (PSDB).

“Lissauer fez um grande trabalho à frente da Assembleia. É um grande parceiro que nós temos, apesar de, hoje, defendermos coisas diferentes. Ele tem sua parcela de contribuição para os goianos e os municípios, e é um bom nome para estar com a gente”, afirmou.

Segundo o parlamentar, após a definição da pré-candidatura de Marconi ao governo, o momento agora é do tucano ter “liberdade para dialogar” a fim de preencher as vagas de vice e senador na chapa majoritária em busca de “projetos para o estado, e não projetos pessoais”.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: Cúpula tucana se reúne em evento do PSDB para anúncio da pré-candidatura de Marconi Perillo
LEIA TAMBÉM: Ex-presidente do PSDB jovem minimiza rejeição de Marconi Perillo: “Ela já foi maior” 
LEIA TAMBÉM: Candidatura de Marconi Perillo ao governo “vai causar uma revoada” na base governista, diz presidente do Cidadania em Goiás

O presidente da Alego busca consenso para ser o candidato único ao Senado pela base do governador Ronaldo Caiado (União Brasil). No entanto, diante do cenário com possibilidade de candidaturas isoladas, o PSD começou a conversar com setores da oposição.

Sobre uma eventual composição entre PSDB e PT, Sebba vê dificuldades, mas não descarta a aliança no segundo turno. “Ideologicamente, não combinamos com o PT. Não acredito nessa união no primeiro turno.”

Continua após a publicidade