13 de julho de 2024
Política

Gurgel e jornalistas serão excluídos do relatório da CPMI

Partiu da Deputada Iris de Araújo a atuação mais efetiva para a mudança no texto e foco na organização criminosa.

Após ser muito pressionado e com a ameaçada de não ter seu relatório aprovado pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, o deputado federal Odair Cunha (PT-MG) decidiu mudar o texto final. Após se reunir com parlamentares da base do governo, principalmente com membros do PMDB, o petista excluirá o pedido de indiciamento de jornalistas e as recomendações que fez contra o procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Em reunião com a deputada federal Iris de Araújo (PMDB-GO), Odair ouviu pedido para que concentrasse o texto final do relatório nas ações da organização criminosa liderada por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e suas ligações com o Poder Público, sobretudo em Goiás. Odair também ouviu outros membros do PMDB e seguiu as recomendações.

Com a mudança no texto, o relatório final da CPMI não terá o indiciamento dos jornalistas Policarpo Júnior, de Veja, e dos goianos Patrícia Moraes e João Unes, entre outros. Haverá apenas uma recomendação para que o Judiciário avalie a conduta da imprensa no caso. Já o texto sobre Gurgel será totalmente excluído.

Vale ressaltar que Odair Cunha não mudará uma vírgula no capítulo em que aborda o governador Marconi Perillo (PSDB-GO) e de seus muitos auxiliares citados nas investigações.

Nos bastidores, tucanos tentaram usar a pressão que havia para tirar a imprensa e Gurgel do texto para também deixar o governador tucano fora do relatório. Assim, os malfeitos do governo goiano serão submetidos ao plenário da CPMI.


Leia mais sobre: Política

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .