27 de fevereiro de 2024
Impostos • atualizado em 26/03/2023 às 09:23

Governo Lula critica lojas online chinesas por falta de taxação

Brasil já recebe cerca de 500 mil pacotes diários da China
Presidente Lula e ministro da Fazenda, Fernando Haddad. (Foto: Divulgação)
Presidente Lula e ministro da Fazenda, Fernando Haddad. (Foto: Divulgação)

O crescimento das vendas online de produtos chineses virou alvo de críticas do governo Lula. À véspera da viagem à China, o presidente e o Congresso manifestaram preocupações com o crescimento das vendas de empresas como Shein e Aliexpress, alegando que essas plataformas não pagam os devidos impostos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com o presidente da Frente Parlamentar Mista do Empreendedorismo (FPE), deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), o comércio nacional tem sido prejudicado e disse que é uma “concorrência desleal”.

Ainda segundo o deputado, o Brasil já recebe cerca de 500 mil pacotes diários da China. “Vamos pedir para as empresas brasileiras terem a mesma competitividade.”

Na última terça-feira (21), Lula criticou a compra de produtos sem o pagamento do Imposto de Importação.

“Está crescendo a importação de produtos que não pagam nenhum imposto nesse País”, disse Lula, durante entrevista ao portal 247. Lula ainda ressalta que quer a melhor relação com a China, mas destaca: “Não podemos aceitar que as pessoas fiquem vendendo para cá sem pagar imposto.”

Sendo assim, o tema deve ser contemplado na reforma tributária em discussão no Congresso. O Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que poderá ser criado para fundir os tributos atuais, deve estabelecer uma tributação equivalente para produtos nacionais e importados. Dessa forma, e-commerces estrangeiros teriam de se registrar e recolher o IVA.


Leia mais sobre: / / Economia

Leonardo Calazenço

Jornalista - repórter de cidades, política, economia e o que mais vier! Apaixonado por comunicação e por levar a notícia de forma clara, objetiva e transparente.