16 de junho de 2024
Política

Governador receberá deputados que apuram denúncias sobre grupos de extermínio

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), confirmou por meio de sua assessoria que receberá o grupo de deputados federais que realizará diligência em Goiânia na próxima terça-feira (4). Às 15h45, os parlamentares oferecerão coletiva à Imprensa no Palácio das Esmeraldas, após se reunirem com o chefe do Executivo goiano, quase uma hora antes.

 

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara (CDHM), deputado Domingos Dutra (PT-MA), liderará os parlamentares designados para apurar denúncias de homicídios e desaparecimentos de pessoas atribuídos a grupos de extermínio. Essas quadrilhas teriam a participação de policias militares, segundo testemunhas.

A diligência, que será acompanhada também pelos deputados padre Ton (PT-RO) e Erika Kokay (PT-DF), será completada pela deputada Marina Santanna (PT-GO) e pelo deputado estadual Mauro Rubem (PT-GO). Além do governador, eles ainda terão reuniões com parentes de vítimas e autoridades goianas.

De acordo com recente reportagem da revista Carta Capital, desde 2000, 36 pessoas desapareceram após serem abordadas por policiais militares (PMs) goianos. Ainda segundo a publicação, essas acusações somadas a outras levaram a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República a iniciar um processo de investigação contra a PM estadual.

Em 2011, a Polícia Federal de Goiás prendeu 15 suspeitos de integrar um grupo de extermínio que atua no Estado. As prisões ocorreram durante a Operação Sexto Mandamento, da PF. Entre os presos, estão policiais militares de diversas patentes. Outros quatro mandados de prisão devem ser cumpridos nesta terça.

Das 15 prisões, 13 ocorreram em Goiânia. Dois mandados de prisão foram cumpridos no interior e outros quatro ainda devem ser cumpridos nesta terça, também no interior do estado.

Segundo as investigações, a organização criminosa tinha como principal atividade a prática habitual de homicídios com a simulação de que os crimes haviam sido praticados em confrontos com as vítimas. Alguns dos crimes foram praticados durante o horário de serviço e com uso de carros da Polícia Militar, de maneira clandestina e sem qualquer motivação, de acordo com a Polícia Federal.

Participam da Operação Sexto Mandamento 131 Policiais Federais e 12 Oficiais da Polícia Militar de Goiás. (Com informações da assessoria de imprensa da Comissão de Direitos Humanos)


Leia mais sobre: Política