28 de maio de 2022
Política

Governador diz dispensar popularidade

Durante reunião desta terça-feira (8) no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, onde o governador Marconi Perillo (PSDB) anunciou a quitação das dívidas com o Ipasgo, a pesquisa Serpes/OPopular foi comentada pelo tucano e classificada como “reflexo momentâneo de um desgaste influenciado pela mídia”.

Em menos de sete meses o índice de rejeição do governador praticamente dobrou, saltando de 25,6% para 48,9% de desaprovação popular que considera a administração como ruim ou péssima. Os escândalos envolvendo membros da gestão estadual com o contraventor Carlinhos Cachoeira, são os principais fatores de desgaste da imagem do tucano. Marconi afirmou estar tranqüilo e desafiou os goianos a provarem qualquer influência da contravenção ou existência de irregularidades em sua administração.

O governador afirmou ter tocado em assuntos delicados que repercutem agora em perseguições contra sua atuação. “Coloquei o dedo na ferida, critiquei o que estava errado, e agora devo colher os frutos por ter gerado insatisfação em algumas partes. Nossa preocupação é com o governo de Goiás, e ela acabará sendo reconhecida, assim como o amor que temos por este Estado”, afirmou.

Continua após a publicidade

Sem delongas sobre o assunto, Marconi reforçou o discurso de que sempre combateu a corrupção e continuará na luta. “Já disse e repito, se for provado o envolvimento de qualquer pessoa do meu governo em situações ilícitas, será demitida imediatamente”, reforçou.

DÍVIDAS

O objetivo do evento era a oficialização do saneamento das dívidas herdadas pela administração atual. Ao lado do presidente do Ipasgo José Taveira Rocha, o governador anunciou as medidas que serão tomadas para a conclusão dos déficits financeiros até o fim deste mês. “A dívida de R$ 450 milhões está chegando ao fim”, afirmou o líder do Executivo.

Continua após a publicidade

Durante o evento, realizado no Auditório Mauro Borges, Marconi aproveitou para anunciar que Taveira está deixando a presidência do Ipasgo. “Interinamente vamos colocar alguém de confiança até julho, quando passaremos o comando do Instituto aos servidores”, explica. “Esse novo Ipasgo, com um novo tipo de gestão, será o melhor plano de previdência pública e privada do Brasil”, concluiu.

O governador afirmou já ter decidido quem será o novo responsável pelo órgão, mas optou pela não divulgação do nome.

Leia mais sobre:
Política