14 de junho de 2024
Economia

Friboi aumenta investimento em Goiás

O grupo FRIBOI aumentou o investimento em Goiás. Anunciou nessa semana a compra de parte da empresa ITAMBE que tem fabricas em Goiás. A compra foi feito pela empresa VIGOR que faz parte da holding J&F, que é formada por empresas do grupo FRIBOI. 

Vigor compra 50% da mineira Itambé por R$ 410 milhões
postado há 2 dias atrás 13 comentários

O laticínio Vigor, do grupo J&F (dono do frigorífico JBS), anunciou ontem a compra de 50% da mineira Itambé. O negócio será feito por meio de um aumento de capital, com aporte de R$ 410 milhões da Vigor. Os recursos serão usados para financiar o crescimento da Itambé e equacionar sua dívida, estimada em cerca de R$ 500 milhões. As duas empresas formarão um laticínio com faturamento anual superior a R$ 3 bilhões.

A Itambé é a quarta maior fabricante de lácteos do Brasil, atrás de Nestlé, LBR e BRF. A empresa processa 3 milhões de toneladas de leite por ano, em cinco fábricas – quatro em Minas Gerais e uma em Goiás. A marca pertence à Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR), que está no mercado de laticínios desde 1944 e ainda permanece com 50% do capital da empresa.

A Itambé funcionava, até novembro do ano passado, com a estrutura de uma cooperativa. Em dezembro, transformou-se em uma Sociedade Anônima (S/A) e agora faz um aumento de capital para receber a Vigor como sócia. A reestruturação incluiu a divisão dos ativos do grupo, que também fabrica rações e é dona de armazéns agropecuários. A Vigor passou a ser acionista apenas do negócio de lácteos da Itambé – unidade que teve receita de R$ 1,8 bilhão em 2012. As rações e os armazéns continuam a pertencer somente à CCPR.

A Vigor poderá dar à Itambé acesso a um maior volume de leite, o que poderá acarretar o crescimento da produção da empresa. “A parceria entre os dois grupos potencializará as operações da Itambé, que continuará sua trajetória de crescimento com uma estrutura de capital adequada, processos operacionais e administrativos independentes e gestão totalmente profissionalizada”, informou a Vigor, em comunicado.

Segundo a empresa, sua operação é complementar à da Itambé. A marca mineira é forte em segmentos como leite longa vida, leite em pó, leite condensado e requeijões. Enquanto isso, o forte da Vigor são os iogurtes e os queijos. “A Itambé contribuirá para uma melhor complementaridade aos produtos da Vigor”, disse a empresa, que somou em 2011 um faturamento de R$ 1,3 bilhão.

A aquisição de uma fatia da Itambé traz uma marca de tradição ao portfólio da Vigor, afirma o especialista em alimentos e bebidas Adalberto Viviani, da consultoria Concept. Segundo ele, a marca Vigor tem feito esforços para se modernizar, como o lançamento do iogurte grego, enquanto a Itambé é uma marca que ganha o consumidor por ter tradição no mercado. “O negócio adiciona à Vigor uma marca que dialoga com um público diferente”, disse Viviani.

As empresas não divulgaram de quanto é a sinergia da união das operações. Para Viviani, a empresa pode conseguir ganhos operacionais com a integração das equipes de vendas e distribuição de produtos. “O custo do frete é muito pesado para laticínios. O produto é perecível e a capacidade de abastecimento frequente do ponto de venda é um diferencial significativo neste mercado”, diz.

A matéria é do Estadão, adaptada pela Equipe MilkPoint.


Leia mais sobre: Economia