21 de maio de 2022
Cidades

Fica 2015: Primeiro longa sobre Cora Coralina será exibido neste sábado, 15

Museu Casa da Cora Coralina, na Cidade de Goiás. (Foto: Thaís Dutra)
Museu Casa da Cora Coralina, na Cidade de Goiás. (Foto: Thaís Dutra)

Cora Coralina para além da imagem da senhorinha que escrevia poemas e preparava doces na casa às margens do Rio Vermelho, na cidade de Goiás. É isso o que pretende mostrar o filme Cora Coralina – Todas as Vidas, que terá sua primeira exibição neste sábado, 15, na terra natal da poeta, durante o Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica). Claro que cena no imaginário de todo brasileiro que conhece sua obra, estará retratada no longa. Afinal, este é um documentário poético, que mistura realidade e ficção, sobre a autora de Vintém de Cobre e que resgata os principais períodos de sua vida. Este, especificamente, será interpretado por Walderez de Barros.

O filme dirigido por Renato Barbieri conta, ainda, com outras três atrizes que se revezam no papel de Cora. Camila Salles, a Camilinha, faz o papel de sua trisavó aos 5 anos. Maju de Souza é Cora aos 14 e Camila Márdila (premiada em Sundance), aos 21. Há ainda uma personagem mais etérea, nas palavras do diretor, que é protagonizada por Teresa Seiblitz. 

Essa narrativa tecida pelas palavras de Cora se alterna com depoimentos de pessoas que a conheceram ou estudaram seu legado. Entre elas, Clóvis Carvalho Britto e Rita Elisa Seda, que publicaram pela Ideia ? é um fato. E o filme busca expressar isso com toda a poesia da Cora”, explica. Ele insiste em seu legado: “Ela fazia realmente a diferença. Foi profunda, ativista não tinha preconceitos. Cora transitava com desenvoltura dos becos aos salões. Essas figuras são diferentes”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continua após a publicidade

(Estadão Conteúdo)

Leia mais sobre:
Cidades