20 de maio de 2024
Brasil • atualizado em 14/05/2024 às 10:40

FAB diz que campanha de donativos ao Rio Grande do Sul continua e nega lotação em galpões

Declaração foi uma resposta à informação divulgada pelo governo do Distrito Federal (GDF), que divulgou que o recebimento de doações seria interrompido
Materiais são recebidos por militares e voluntários em todas as bases abrangidas pela campanha. (Foto: Joédson Alves/Agência Brasil).
Materiais são recebidos por militares e voluntários em todas as bases abrangidas pela campanha. (Foto: Joédson Alves/Agência Brasil).

A Força Aérea Brasileira (FAB) negou que esteja suspenso o recebimento de doações para o Rio Grande do Sul na Base Aérea de Brasília. A declaração foi uma resposta à informação divulgada pelo governo do Distrito Federal (GDF), que divulgou que o recebimento de doações seria interrompido, porque os galpões da FAB e do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF) teriam atingido sua capacidade máxima.

“A Campanha ‘Todos Unidos pelo Sul!’, que visa arrecadar donativos para os atingidos pela enchente no Rio Grande do Sul (RS), segue normalmente. Os materiais são recebidos por militares e voluntários em todas as bases abrangidas pela campanha, incluindo também do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), e de São Paulo (BASP), em Guarulhos (SP)”, informou a FAB.

O Corpo de Bombeiros do DF chegou a anunciar que manteria a suspensão temporária anunciada pelo GDF. Mas minutos depois, a corporação emitiu novo comunicado informando que continua a receber os donativos. Segundo informações das Forças Armadas, milhares de toneladas de doações já foram transportadas pela FAB desde o início da catástrofe climática que atinge o Rio Grande do Sul.

Catástrofe no Rio Grande do Sul

Segundo a Agência Brasil, o balanço mais recente da Defesa Civil gaúcha contabiliza mais de 80 mil pessoas distribuídas por mais de 700 abrigos temporários, espalhados pelas 447 cidades atingidas no estado. Outras 534 mil pessoas estão desalojadas, sendo abrigadas na casa de parentes ou amigos, por exemplo.

Até o momento, foram registradas 147 mortes em decorrência do mau tempo que atinge o RS desde os últimos dias de abril. Outras 806 pessoas ficaram feridas e há ainda 127 desaparecidos. Ao todo, mais de 2,11 milhões de pessoas foram impactadas direta ou indiretamente pelos eventos climáticos extremos.


Leia mais sobre: / / / Brasil / Cidades

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019