16 de abril de 2024
PESQUISA

Estudiosos avaliam comportamento de veneno de aranha no tratamento contra o câncer

Aranha em questão habita no litoral paulista e substância apresentou resultados satisfatórios contra a leucemia
Além disso, a aranha mostrou vantagens estratégicas se comparada a quimioterapia. (Foto: Rogério Bertani/Instituto Butantan)
Além disso, a aranha mostrou vantagens estratégicas se comparada a quimioterapia. (Foto: Rogério Bertani/Instituto Butantan)

O veneno produzido por uma aranha que habita no litoral paulista serviu para uma pesquisa de novas formas para tratar o câncer. O trabalho é conduzido por cientistas do Hospital Israelita Albert Einstein e do Instituto Butantan há cerca de 20 anos, avaliando o potencial terapêutico de uma substância obtida a partir do aracnídeo. As informações são da BBC News.

Vale ressaltar que o possível remédio não é feito com o veneno da aranha diretamente, mas sim de moléculas isoladas, purificadas e sintetizadas em laboratório. Em pesquisas preliminares, a molécula se mostrou promissora no combate à leucemia.

Além disso, a aranha mostrou vantagens estratégicas se comparada a quimioterapia, por exemplo. Os estudos ainda estão nos primeiros estágios, portanto, é preciso experimentá-las em mais células e cobaias para observar a segurança e eficácia.

Pesquisa

Para a BBC News, os pesquisadores afirmaram que já são três décadas de investigação, começando por uma série de expedições pelo litoral de São Paulo. Segundo o biólogo do Laboratório de Toxinologia Aplicada do Butantan, Pedro Ismael da Silva Júnior, os estudiosos eram chamados para regiões em que aconteciam movimentações, momento em que faziam a coleta das aranhas.

“Nós geralmente éramos chamados para regiões em que aconteciam movimentações, como o corte de árvores e desmatamento. Nessas visitas, fazíamos a coleta de aranhas”, diz.

Em um painel de testes e análises para avaliar as toxinas encontradas em várias aranhas do gênero, o bioquímico Thomaz Rocha e Silva afirmou que viram que uma toxina encontrada na aranha possuía uma “poliamina pequena e com uma atividade bastante interessante”. Então, a molécula foi isolada e purificada, posteriormente sintetizada, criando uma versão química idêntica.

A substância foi posta para testes in vitro e, na bancada, foi colocada junto de células cancerosas, apresentando resposta importante. Apesar de a poliamina ter sido testada contra a leucemia, a expectativa é que tenha o mesmo efeito contra outros tipos de tumores.

A substância também precisa ser avaliada em cobaias, para avaliar o comportamento em organismos mais complexos e, caso seja bem-sucedido, o projeto passa par aa fase clínica.


Leia mais sobre: / / / / / / / Brasil

Maria Paula

Jornalista formada pela PUC-GO em 2022 e MBA em Marketing pela USP.