15 de junho de 2024
ALERTA NA CONTA

Equatorial Goiás vai emitir selos na conta de energia para alertar famílias de baixa renda

Companhia informará clientes cadastrados na Tarifa Social sobre status no programa;  avisos  serão impressos na conta de energia de mais de 500 mil goianos
Três selos diferentes vão alertar sobre status da família inscrita com direito a Tarifa Social - Foto: Equatorial Goiás
Três selos diferentes vão alertar sobre status da família inscrita com direito a Tarifa Social - Foto: Equatorial Goiás

A partir desta terça-feira (4), as contas de energia elétrica enviadas para os consumidores goianos vão conter selos com avisos direcionados às famílias de baixa renda. O aviso será feito por meio de selos para  informar sobre o status dos cadastrados no programa da Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE) que garante descontos de até 65% na fatura. A iniciativa é da a Equatorial Goiás e também é aplicada em outros estados.

A companhia divulgou que as orientações estarão de forma clara na conta. Estarão impressas próximo do campo ’Notificação de Reaviso de Vencimento/ Mensagem‘ ou ao lado das informações de leitura. Juntamente com esses dados, o cliente encontrará um selo  conforme a realidade de cada inscrito no programa.

O gerente Tático de Gestão Comercial da Equatorial Goiás, Jean Gama, informa que a estratégia visa chamar atenção dos beneficiários. “De forma direta e clara, a Equatorial estabelece uma comunicação com o cliente da tarifa social, com o objetivo de avisar visualmente sobre a condição de seu cadastro, reforçando situações que requerem ações específicas para cada caso”, destaca.

Conheça os selos de aviso:

O selo ‘Cliente cadastrado na Tarifa Social‘ identifica que o cliente responsável por aquela unidade consumidora já está cadastrado na tarifa social baixa renda, com Número de Identificação Social (NIS) válido e recebendo o desconto mensal de até 65% na tarifa, variando desconto com seu consumo.

 Já o selo ‘Seu NIS vai vencer, procure o CRAS do seu município‘ indica um status de alerta. Ele identifica que nos próximos meses o Número de Identificação Social (NIS) do cliente ficará desatualizado e ele poderá perder o benefício da tarifa social baixa renda. Neste caso o consumidor fica sabendo que precisa ir ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próximo da residência para regularização. A atualização do NIS dever ser feita, obrigatoriamente, a cada dois anos.

Por último, há o selo ‘Benefício da Tarifa Social cancelado‘, informa que o benefício da tarifa social baixa renda foi cancelado para a unidade consumidora. Clientes que se enquadrarem nesta situação, devem procurar o CRAS mais próximo da residência, para regularização e avaliação do status do cadastro.

Transparência

A companhia divulgou nesta terça que os selos reforçam seu compromisso com a transparência e o cuidado com cada cliente. ‘’Nós entendemos e sabemos que esse benefício é fundamental na conta de milhares de famílias e, por isso, pensamos na oportunidade de criar uma identificação visual aos nossos clientes sobre o status de seus cadastros, para que de forma direta eles saibam que estão cadastrados, que precisam atualizar o NIS ou que o benefício foi cancelado, caso não tenha sido atualizado’’, destaca Jean Gama.

As contas com os novos selos já estão sendo impressas e distribuídas. Elas vão chegar nas casas dos beneficiários pelo programa, de acordo com o prazo de vencimento de cada fatura de energia.

Quem tem direito

A Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE) contempla os inscritos no Cadastro Único do Governo Federal identificados como de baixa renda (com renda mensal por pessoa de até ½ salário-mínimo). Além disso, também enquadram quilombolas, indígenas, pessoas que recebem o Benefício da Prestação Continuada (BPC). Igualmente têm direito aqueles com renda familiar mensal de até três salários-mínimos, que tenham membros com doença ou patologia que exija o uso contínuo de aparelhos ou equipamentos elétricos em domicílio. 

Descontos

A Tarifa Social de Energia Elétrica dá descontos no valor mensal do consumo das famílias beneficiadas.

Veja os descontos por consumo: 

  • Para consumo até 30 quilowatts/hora, a redução é de 65%;  
  • De 31 a 100 kWh/mês, o valor fica 40% menor;  
  • De 101 kWh a 220 kWh, a redução é de 10%;  
  • Acima de 220 kWh/mês o custo da energia é o mesmo dos clientes que não recebem o benefício.  
  • As famílias inscritas no CadÚnico têm desconto de 100% até o limite de consumo de 50 kWh/mês; 
  • De 40% para consumo a partir de 51 kWh/mês;  
  • De 10% para consumo de 101 kWh a 220 kWh.  
  • Acima de 220 kWh/mês o custo é similar ao dos clientes sem o benefício. 
  • As famílias indígenas e quilombolas têm descontos maiores 

Força-Tarefa

A Equatorial informa que segue pelos próximos dias, no Terminal Bandeiras, em Goiânia, uma força-tarefa para o cadastramento da Tarifa Social na conta de luz. Os atendimentos serão feitos durante 12 dias, de 03 a 14 de junho, das 13h às 19h, dentro do terminal.

Cerca de 400 mil famílias estão aptas a receber o benefício em Goiás, mas ainda não fizeram o cadastro. A parceria, é uma iniciativa da Equatorial Goiás e da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), e começou no dia 20, pelo Terminal Isidória. 

O cadastro poderá ser realizado em 19 terminais de ônibus, entre eles, Terminal Padre Pelágio, Novo Mundo e Araguaia. “Essa ação é para garantir que nenhuma família fique sem desconto na fatura de energia. Dessa forma, será possível ter um alcance ainda maior para todos que estão aptos a receber o benefício”, afirma o gerente de experiência com o cliente da Equatorial Goiás, Hugo Leandro Ferreira 

O cadastramento acontece por ordem de chegada e é necessário apresentar documento pessoal com foto e a conta de luz. Ao longo das próximas semanas, outros 18 postos serão abertos nos terminais da Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC) até que os 400 mil beneficiados sejam atendidos. 

As ações nos terminais de ônibus – que vão até janeiro de 2025 – podem ser acompanhadas no site da Equatorial: www.equatorialenergia.com.br. Ao entrar, clique em Goiás.

 Outros locais 

Além dos terminais, também é possível realizar o cadastro nas Agências de Atendimento Presencial da Equatorial Goiás e nos CRAS. Mesmo com um crescimento de 15% no ano passado na base de clientes que estão recebendo o benefício, muitas pessoas ainda não se cadastraram e, por isso, a distribuidora intensifica as ações para aumentar o número de cadastrados.  

A inclusão de famílias na TSEE dá a oportunidade de direcionar recursos do orçamento familiar destinados ao pagamento da conta de energia para outras necessidades, como alimentação e saúde. Este incremento injetou R$ 133 milhões na economia dos municípios goianos durante o ano de 2023.  

Para verificar se já está incluído na Tarifa Social, basta conferir se na parte superior da conta de energia, no espaço Dados da Unidade Consumidora, o campo Classe/Subclasse está preenchido com: Resid. Bx. Renda. É importante notar que a conta não vem zerada, pois na fatura estão incluídos não apenas o consumo de energia, mas também o pagamento de impostos, iluminação pública e outras cobranças eventuais, como parcelamentos, multas ou juros. 

Onde se cadastrar 

  • Agências de Atendimento Presencial 
  • Postos Credenciados de Atendimento Presencial 
  • Central de Atendimento 0800 062 0196 – ligação gratuita para todo o Estado, 24h por dia. 

A família precisa estar com o cadastro único atualizado no CRAS e apresentar número da Unidade Consumidora em que reside; documento de identificação oficial com foto; e número de Identificação Social – NIS ou BPC. 

Críticas

A Equatorial enfrentou muitas críticas pelos serviços assumidos com a saída da Enel. Como mostrou o Diário de Goiás, a companhia amargou avaliação ruim também junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel):

Equatorial Goiás é a pior empresa de energia elétrica do país, de acordo com Aneel


Leia mais sobre: / / / Economia / Geral / Notícias do Estado

Marília Assunção

Jornalista formada pela Universidade Federal de Goiás. Também formada em História pela Universidade Católica de Goiás e pós-graduada em Regulação Econômica de Mercados pela Universidade de Brasília. Repórter de diferentes áreas para os jornais O Popular e Estadão (correspondente). Prêmios de jornalismo: duas edições do Crea/GO, Embratel e Esso em categoria nacional.