30 de junho de 2022
Goiânia

Enel é convocada para depor na CPI

deputado estadual Henrique Arantes (PTB), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Enel
deputado estadual Henrique Arantes (PTB), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Enel

Em entrevista a Rádio Bandeirantes 820 na manhã desta segunda-feira (18), o deputado estadual Henrique Arantes (PTB), que está a frente da  presidência da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Enel, explicou quais questionamentos e andamentos da CPI. Uma série de reclamações cerca a Enel Distribuição de energia, seja por má distribuição, ou energia ruim que será  investigada segundo a Lei.

A CPI já está implantada e o deputado destaca quais os primeiro passos. “Nós aprovamos alguns requerimentos que foram expedidos como documentos para a Enel e para a antiga Celg D. Exigimos que eles mandem num prazo de 10 dias o contrato de compra e venda e o contrato de privatização e a partir disso nós vamos  buscar a contabilidade deles , e também pedimos já o relatório de investimentos. Eles alegam ter investido nos últimos anos 780 milhões cada ano. Nós pedimos esse relatório para ver data por data, local por local do investimento que eles dizem que foi feito”.

De acordo com Henrique Arantes, foi aprovado a convocação de toda diretoria da Enel na quinta-feira (21), na Assembleia para esclarecimentos. “Nós estamos convocando, e se por ventura a diretoria da Enel não vir, nós vamos acusa-lós de desobediência e mandar a polícia busca-lós, a CPI tem esse poder. Nós não estamos aqui para fazer acordo, estamos aqui para cobrar que essa empresa faça um bom trabalho no Estado. Vamos fazer uma série de indagações a eles. Vamos pedir ao Tribunal de Contas dos municípios e do Estado de Goiás com requerimento para poder exigir que eles forneçam técnicos para nos auxiliar na auditoria dos documentos”, afirma.

Continua após a publicidade

Ainda segundo o deputado a CPI tem vários focos, entre eles a sonegação fiscal da Enel por parte dos municípios e do Estado. “A sonegação é um dos vários pontos que nós estamos suspeitos que eles estão sonegando o ICMS que deve ser pago ao município  e Estado. Como a Enel é obrigada a fornecer ela tem que pagar o imposto e a interrupção de fornecimento não isenta ela de pagar aquele imposto. Então, ela está lesando o município, o estado e o consumidor . Está tratando o estado como se fosse uma colônia do século XIX”, completou.

Ainda sobre os investimentos que a Enel diz ter feito no Estado de Goiás, o deputado ressalta que ela tem muito a esconder. “A Enel tem a esconder muita coisa, primeiro eles dizem que fizeram investimentos e para poder reajustar tarifa eles fizeram um relatório de investimento, que no nosso entendimento é custeio e isso não cabe para poder reajustar a tarifa. Nós cobramos para que eles façam os investimentos que dizem fazer , e que não fizeram e, que enquanto não fazem volte a tarifa para que o povo pague um preço justo”, finaliza.

Foi criado um email para receber todas denúncias da Enel, dessa forma, qualquer pessoa que tenha crítica, denúncia ou sugestão pode enviar para o endereço:  [email protected], que todas as reivindicações serão apresentadas na CPI.

Continua após a publicidade

Leia mais sobre:
Goiânia