27 de maio de 2024
Denúncia • atualizado em 10/10/2022 às 15:22

Em Goiânia, Damares diz que no Brasil há crianças com dentes arrancados para sexo oral; veja vídeo

Grave denúncia da Senadora do Republicanos, eleita pelo Distrito Federal, repercutiu na internet neste fim de semana
Damares Alves garantiu que governo tem provas de atrocidades feitas com crianças, mas não afirmou se alguma foi salva ou se há alguma operação de salvamento, apenas usou história para atacar oposição a Bolsonaro. (Foto: reprodução)
Damares Alves garantiu que governo tem provas de atrocidades feitas com crianças, mas não afirmou se alguma foi salva ou se há alguma operação de salvamento, apenas usou história para atacar oposição a Bolsonaro. (Foto: reprodução)

A Senadora eleita pelo Distrito Federal e ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves (Republicanos) afirmou, no sábado (8) durante visita à Assembleia de Deus Ministério Fama, em Goiânia, que o governo Bolsonaro teria encontrado crianças vítimas de tráfico humano para outros países. O crime teria sido registrado na Ilha do Marajó, no Pará, onde os dentes dos pequenos teriam sido arrancados para prática de sexo oral. Veja vídeo:

No vídeo, Damares faz revelações ainda mais chocantes sobre estupros de bebês e a condição das supostas crianças sequestradas. Apesar do tráfico de pessoas, de crianças em geral, ser algo real a ex-ministra porém, não citou dados, fatos ou operações que comprovassem a veracidade de sua denúncia. Ela usa a história, no entanto, para dizer que Bolsonaro quer salvar todas as crianças e, por isso, o “inferno se levantou” contra o presidente.

NÃO DEIXE DE LER: ‘Partido das Trevas’ inventou que mulheres não amam Bolsonaro, diz Damares Alves em Goiânia

LEIA TAMBÉM: Michelle Bolsonaro e Damares Alves participam de ato político com mulheres em Goiânia

Outro fato curioso é que, no começo do vídeo, Damares diz, antes de fazer a denúncia, que as pessoas perguntam “por que Bolsonaro está fazendo o maior programa de desenvolvimento regional na Ilha do Marajó?”. Apesar disso, em apuração, não há qualquer informação que confirme isso, pelo contrário, o presidente só liberou 44% dos recursos de convênios no estado e apenas 10% dos contratos com prefeituras, entidades e Estado foram concluídos. Atrasos atingem centenas de obras e aquisição de equipamentos, prejudicando a população e atrapalhando projetos nos municípios.

Especificamente em Salvaterra, na Ilha do Marajó, um convênio para a implantação de um sistema de abastecimento de água, que vai beneficiar as comunidades de Camará e São Veríssimo e a atividade agrícola da região, foi assinado em dezembro de 2019. O valor é de pouco mais de R$ 600 mil, mas até agora nenhum tostão foi liberado e a vigência expira em dezembro deste ano.

Voltando à denúncia, é claro que, em hipótese alguma a identidade de crianças resgatas nestas possíveis condições jamais devem ser reveladas, mas há outras formas de se utilizar desta informação. Providências poderiam ter sido tomadas por meio de ações policiais, investigativas, mobilização de poderes, e informando a população corretamente, não sendo trazida em um culto, em período de campanha eleitoral, a qual Damares chama de “Guerra Espiritual”. Na internet, a senadora eleita foi amplamente criticada, mas também elogiada pelo que fez. Confira:

https://twitter.com/ovelhoveneno/status/1579271776743219201
https://twitter.com/Rogerio1Marquez/status/1579116141036773378
https://twitter.com/77_frota/status/1579207051145670656

Leia mais sobre: / / Cidades

Carlos Nathan Sampaio

Jornalista formado pela Universidade Federal e Mato Grosso (UFMT) em 2013, especialista Estratégias de Mídias Digitais pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação de Goiânia - IPOG, pós-graduado em Comunicação Empresarial pelo Senac e especialista em SEO.