24 de maio de 2022
Cidades

Greve na Justiça: Assembleia aprova paralisação a partir da quinta, 24

Assembleia geral foi realizada na manhã deste sábado (19), em Goiânia.
Assembleia geral foi realizada na manhã deste sábado (19), em Goiânia.

Durante assembleia geral, realizada na manhã deste sábado (19), no Ginásio Rio Vermelho, em Goiânia, os servidores e serventuários da Justiça do Estado de Goiás decidiram pela greve geral no Poder Judiciário.

Continua após a publicidade

A maioria dos votos presentes optou pela paralisação. A greve será iniciada 72 horas após a comunicação ao Judiciário, ou seja, na próxima quinta-feira (24).

De acordo com o presidente do Sindicato, Fábio Queiroz, os servidores decidiram pela greve devido à falta de aplicação legal da data-base referente ao mês de janeiro, matéria que está pronta para ser apresentada e votada na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego).

“A leitura que nós temos é que o próprio governador tem mandado mensagem à Assembleia para que não seja votada a data-base dos servidores da Justiça, alegando situações financeiras do Estado. Mas o que os servidores cobram é a autonomia do Poder Judiciário em respeito à própria determinação da Constituição Federal”, afirmou.

Continua após a publicidade

Para Fábio, houve diversas tentativas em realizar uma negociação para o reajuste de 7% do salário, mas nenhuma deu certo. “Tivemos várias tentativas de negociação junto à Assembleia Legislativa, com o líder do governo. Inclusive pedimos pauta com o governador e até o momento nós não fomos atendidos. Infelizmente chegamos à conclusão de que até o momento não deram ouvidos às nossas reinvindicações”.

O presidente ainda explica o porquê não há dificuldade no pagamento dos 7% a mais no salário. “Isso é reposição, não é aumento salarial. A reposição vem pelas perdas inflacionárias que aconteceram em 2014. A nossa reposição seria de 9,63%, mas o índice caiu para 7%. O percentual de 7% está impactado dentro do orçamento do Tribunal de Justiça, então, não tem como o governador falar que não vai pagar”, concluiu.

Leia mais sobre:
Cidades