24 de maio de 2024
Política • atualizado em 29/11/2020 às 19:19

Em Anápolis e Goiânia, abstenções e votos nulos e brancos superaram votação de vitoriosos

Roberto Naves, eleito em Anápolis, e Maguito Vilela, vitorioso em Goiânia. (Fotos: Divulgação)
Roberto Naves, eleito em Anápolis, e Maguito Vilela, vitorioso em Goiânia. (Fotos: Divulgação)

As duas cidades goianas com segundo turno tiveram vitórias de Maguito Vilela (MDB) e Roberto Naves (PP). Porém, em ambas, o não voto, a soma de brancos, nulos e abstenção, foi maior que os votos conferidos aos eleitos.

Em Goiânia, a soma de abstenções (356.949), brancos (26.193) e nulos (60.546) é de 443.688. Maguito recebeu 277.497 votos, o que representa 63% do total de não votos.

No total, os votos válidos foram 527.533, apenas 83 mil a mais que o não voto. Percentualmente a divisão de válidos e não voto ficou em 54,3% a 45,7%.

Anápolis

O prefeito Roberto Naves (PP) foi reeleito para mais quatro anos em Anápolis, mas a maior parte dos eleitores são aqueles que não votaram no progressista nem em Antônio Gomide (PT).

Naves recebeu 101.349 votos. Somando abstenções (88.723), brancos (4.928) e nulos (10.510), o não voto foi de 104.161.

Gomide teve 64.046 votos, o que representa apenas 61,4% daqueles eleitores que se abstiveram ou não votaram em nenhum dos candidatos.

Foram 165.395 votos válidos (61,3%). O não voto, portanto, representou 38,7%.


Leia mais sobre: / / / Destaque 2 / Política