25 de junho de 2024
Dilze Percílio no RH

DICAS PARA “CAVAR” UMA PROMOÇÃO OU PEDIR AUMENTO

E aí amigos, já estão com seu Planejamento de Carreira pronto? Não. Para que não leu o artigo anterior, faça-o antes de ler esse. Se seus objetivos de carreira já estiverem definidos e as estratégias traçadas para 2013 já estiverem registradas, as dicas que colocarei aqui serão muito mais uteis.

Antes de pensar em pedir aumento para seu chefe, analise o cenário. Seguem os primeiros passos:

1. Há quanto tempo você está na empresa? Se for menos de 6 meses, nem pense em pedir aumento.

2. Faça uma pesquisa informal para saber como está seu salário perante os salários de profissionais que desempenham as mesmas funções que você no mercado de trabalho. Lembre-se que mesmo que você esteja mais qualificado que a “maioria”, isso pode não impactar diretamente no salário. Os balizadores dos salários são o cargo e as funções. Se seu salário está na média de mercado ou acima, é bom esperar para pedir aumento. E enquanto espera, complexifique suas funções, buscando como referencia o cargo superior ao seu.

3. Mesmo que seu salário esteja abaixo da média de mercado, analise a política de cargos e salários da empresa em que está trabalhando. Se todos os salários estão abaixo da média esse é o perfil da empresa, então, pedir aumento pode ser um risco ao emprego. Como sua chefia já sabe que a empresa não vai aumentar o salário, poderá começar a buscar outro profissional que aceite o salário proposto.

4. Mas se o seu salário abaixo da média é quase um exceção na empresa, prepare-se para pedir um aumento!

Bom, agora você está chegando na hora H, ou seja, o momento de pedir aumento ao seu chefe. Mas antes, analise o seu desempenho e o momento da empresa:

5. Muitas empresas realizam Avaliação de Desempenho, anual ou semestral. Como resultado dessa avaliação a área de Gestão de Pessoas define as promoções salariais e de cargo. Se sua empresa tem essa ferramenta, analise seu resultado perante a avaliação passada e perante o desempenho dos colegas. Se não houve um real ganho de performance, é melhor esperar para pedir sua promoção.

6. Mas se sua empresa não tem essa ferramenta ou se você teve um desenvolvimento, mas a empresa não tocou no assunto do aumento ou promoção, está na hora de “ir a luta”.

Chegou a HORA H. Não se desespere, pode ser mais fácil do que imagina.

7. Defina para quem você vai pedir o aumento ou a promoção. A primeira opção é a chefia imediata, mas em algumas situações não há abertura ou não há um bom relacionamento entre líderes e subordinados. Se esse for o caso, JAMAIS passe por cima do seu chefe para falar com o chefe dele. A alternativa é falar com o RH. Mas saiba que falar com seu líder é sempre a melhor opção.

 8. Agende um horário, uma reunião. Evite falar de qualquer jeito, de maneira informal ou nos “corredores”. Para essa reunião leve informações, escritas ou organizadas mentalmente, de acordo com os levantamentos prévios realizados por você. E planeje-se para fazer uma exposição de até 10 minutos e depois abra para as discussões.

 9. Sua exposição tem que se basear nos ganhos que você gera para a empresa. EVITE os argumentos relacionados as necessidades de ganho ou despesas, e não fique se comparando aos outros que por ventura ganham mais que você. Lembre-se de que esse é um momento em que você tem que demonstrar sua insatisfação com o salário ou cargo, e que isso está lhe desmotivando. Mas cuidado para não “pintar o quadro com tintas muito fortes”, pois caso não saia a promoção sairá a demissão.

10. Não cobre uma resposta imediata, não faça pressão. Mas não saia da reunião sem uma data para vocês conversarem novamente e ele dar a resposta.

Amigos do blog e do Diário de Goiás, enviem comentários com perguntas e sugestões. Nos próximos dias vamos discutir mais temas sobre mercado de trabalho. O próximo, a ser postado ainda essa semana, será “Quando saber qual é a hora de buscar um novo trabalho?”. Aguardem.

Abraços, Dilze Percilio.

@dilzepercilio

 


Leia mais sobre: Dilze Percílio no RH

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .