26 de fevereiro de 2024
Fez cena

Deputado diz que facada é fake e Eduardo Bolsonaro parte para cima: “Perco o mandato, mas com dignidade”

O filho do ex-presidente perdeu a compostura e fez cena durante reunião na Câmara dos Deputados, após o petista falar que a facada não teve sangue e teria sido falsa
Eduardo Bolsonaro se exaltou com deputado petista e teve que ser contido por deputados. Foto: Reprodução/ Redes Sociais
Eduardo Bolsonaro se exaltou com deputado petista e teve que ser contido por deputados. Foto: Reprodução/ Redes Sociais

O filho do ex-presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL), perdeu a cabeça e agrediu verbalmente o deputado federal Dionilso Marcon (PT), após o parlamentar dizer que a facada sofrida pelo pai teria sido “fake”.

A cena de descontrole, que quase resultou em agressão física, aconteceu durante reunião da Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (19). Em seguida, o filho de Bolsonaro se exaltou, partiu em direção ao deputado petista gritando xingamentos, mas foi contido por outros deputados.

Climão

Como resultado, em meio a palavras de baixo calão, Eduardo Bolsonaro fez ameaças a Marcon. “Facada é teu c*. Seu vi*d*”. Em descontrole, Eduardo culpou o colega pela atitude. “Respeita, deputado! Queria me tirar do sério? Conseguiu”.

A reação aconteceu depois que Marcon mencionou a facada, afirmando ter sido falsa, pois não havia presença de sangue no ferimento. “Olha o que ele está falando aqui. “Facada fake”, “não teve sangue”, tu tá maluco? Vocês tentaram matar meu pai. Fala isso para me tirar do sério”, respondeu Eduardo Bolsonaro.

Por fim, o filho do ex-presidente chegou a ameaçar o deputado petista. “Tá achando que tu tá na internet? Te enfio a mão na cara e perco o mandato. Perco o mandato, mas com dignidade, coisa que você não tem seu filho da p***”. Em meio a perda de decoro, a fim de acalmar os ânimos, Bolsonaro foi alertado pelos presentes: “Olha a cena”.

Repercussão

Por consequência às agressões verbais e ameaças, o deputado Marcon veio público dizendo que não tolera esse tipo de conduta e que entrará com “medidas cabíveis para que esse ato não saia impune”. O petista recebeu a solidariedade de outros políticos nas redes sociais.

De acordo com Marcon, juntamente com o PT, ele entrará com representação no Conselho de Ética da Câmara contra Eduardo Bolsonaro, por conta das ameaças e da tentativa de agressão.


Leia mais sobre: / Política

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.