29 de maio de 2024
Cidades

CV X PCC: Cabeça decapitada foi disputa entre facções

No fim da tarde desta terça-feira (05/02), a Polícia Civil do Estado de Goiás, em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública apresentou a conclusão da investigação que apurou a morte de Erivaldo Ferreira da Rocha. A motivação do assassinato está ligada ao tráfico de drogas. A Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), apontou seis pessoas responsáveis pelo crime. Os cinco já foram presos e um outro membro foi morto no último dia 25 de janeiro.

Membro do Primeiro Comando da Capital (PCC), Eriovaldo Ferreira da Rocha, teve sua cabeça de captada e encontrada na Avenida Perimetral Norte, no dia 13 de janeiro e o restante do seu corpo encontrado no Rio Meia Ponte, quatro dias depois. Eriovaldo tinha um irmão que fornecia drogas em nome do PCC: Erli Ferreira da Rocha, conhecido como Baiano.

Membros do Comando Vermelho (CV), facção declaradamente inimiga do PCC, a dupla de irmãos Matheus Máximo e Maurício Máximo juntamente com Edson Dener e Denis Peterson, também irmãos tentaram matar Baiano a tiros, sem sucesso. Luciano Fonseca utilizando um cerrote realizou a decapitação de Erli. O sexo envolvido, conhecido como “Pombo”, foi morto. Todos os participantes no crime tinham passagens pela polícia, exceto Erli.

Durante apresentação no auditório da secretaria de Segurança Pública, a delegada titular da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH) Silvana Nunes disse que “houve a demonstração da disputa de uma facção sobre a outra pelo domínio do tráfico”.


Leia mais sobre: / / / / Cidades

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.