27 de maio de 2022
Destaque

Criança de 7 anos não resiste a Covid-19 e morre em Goiânia

Gael Clímaco não resitiu a Covid-19 (Foto: Acervo Pessoal)
Gael Clímaco não resitiu a Covid-19 (Foto: Acervo Pessoal)

Sem vacinação para Covid-19 liberada para sua idade, o pequeno Gael Clímaco de 7 anos de idade não resistiu a doença e morreu nesta quarta-feira (19/01). Ele era filho do professor do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da UFG, Humberto de Assis Clímaco e neto dos professores Arlene Carvalho de Assis Clímaco e José César Teatini de Souza Clímaco, de acordo com nota de pesar publicada pelo Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adulfg).

De acordo com o jornal O Popular, Gael era imunocomprometido e tinha distúrbios neurológicos que agravaram a gravidade da doença. Sua família havia sido contaminada com a Covid-19 mas como ele não havia se imunizado o estado de saúde acabou comprometido com a criança indo para um leito de UTI. 

A Adulfg publicou uma nota de falecimento, ‘com muito pesar’, nesta quinta-feira (20/01)  “Com muito pesar, o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg-Sindicato) informa o falecimento de Gael Oliveira Clímaco, filho do professor do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da UFG, Humberto de Assis Clímaco. Gael tinha sete anos e também era neto dos professores Arlene Carvalho de Assis Clímaco e José César Teatini de Souza Clímaco. Neste momento tão difícil, o Adufg-Sindicato manifesta sua total solidariedade aos familiares e amigos de Gael. A entidade deseja, que mesmo diante de tamanha dor, todos possam ser, de alguma forma, confortados.”

Continua após a publicidade

A campanha de vacinação infantil começou no começo desta semana após muitos obstáculos. O presidente da República, Jair Bolsonaro, por diversas vezes atacou a imunização e insinuou que dependesse dele, a vacinação não aconteceria. Como não depende de sua vontade, já disparou que sua filha de 11 anos de idade não será vacinada

Ontem, uma remessa de imunizantes para aplicação em crianças chegou fora da temperatura adequada e a SES-GO aguarda um parecer do MS para saber se estão aptas para uso.

Leia mais sobre:
Destaque Goiânia