14 de junho de 2024
Política

Concessão da Saneago em Goiânia pode ser cancelada. A Saneago reagiu

O vereador Agenor Mariano (PMDB), vice prefeito eleito de Goiânia, anunciou que a prefeitura da capital vai iniciar estudos  para a suspensão da concessão do serviço de água e esgoto para a SANEAGO. Segundo ele, a empresa não está atendendo às necessidades da cidade e citou a falta da universalização do serviço de água e esgoto.

De forma contundente, o vice prefeito reforçou que a ideia é uma “política de governo”.

VEJA O VÍDEO:

{youtube}fK7Rr2tsY9c{/youtube}

Em nota, o governo de Goiás contestou a iniciativa do vice prefeito Agenor Mariano e da administração de Paulo Garcia (PT). O documento, assinado pelo diretor financeiro da empresa, Júlio César Vaz de Melo, foi distribuído pela assessoria de imprensa do governo de Goiás.

VEJA:

 


NOTA DA SANEAGO À IMPRENSA

 

O vice-prefeito eleito de Goiâia, por desinformação ou falta de experiência administrativa, equivocou-se ou foi mal orientado quando falou em romper o contrato de concessão do Município de Goiânia com a Saneago.

Existe uma concessão em vigor. O ex-prefeito Iris Rezende assinou um contrato, com validade até 2023. Contratos são assinados para serem cumpridos e respeitados. Não acreditamos que o prefeito Paulo Garcia queira adotar como regra, em sua administração, quebras de contratos. E nem que irá começar a revisar as decisões tomadas pelo ex-prefeito Iris Rezende, colocando em dúvida a responsabilidade e seriedade do ex-gestor. Rescisões de contratos não são ações unilaterais e simples como imagina o vice-prefeito Agenor Mariano.

Nossa Capital enfrenta vários problemas nas áreas de educação, saúde, trânsito, transporte coletivo, entre outros. Será que ao invés de gastar tempo e recursos para tentar romper um contrato que está sendo bem executado como o da Saneago, onde já foram universalizados 100% de água e 86% de esgoto, a prefeitura não deveria se preocupar com os serviços que não andam bem em outras áreas?

Parece-nos um enorme equívoco discutir o rompimento do contrato do município com a Saneago, no momento em que concluímos  a barragem do João Leite e estamos finalizando a construção da ETA Mauro Borges e a adutora, o que garantirá o fornecimento de água para toda a  região metropolitana de Goiânia por, no mínimo, mais 40 anos.

Se existe um serviço bem prestado em nossa Capital é o que a Saneago oferece à nossa população. Portanto, não acreditamos que o prefeito Paulo Garcia possa concordar com a quebra de um contrato que vem sendo cumprido satisfatoriamente.

Júlio César Vaz de Melo
Diretor Financeiro da Saneago

 


Leia mais sobre: / / / / / / / / Política

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .