30 de maio de 2024
Congresso • atualizado em 16/12/2022 às 16:51

Como votaram os senadores e deputados de Goiás no projeto que institucionaliza o orçamento secreto

Apenas quatro dos 20 parlamentares goianos no Senado e na Câmara se mostraram contrários à proposta
Plenário do Senado, em Brasília (Foto: Waldemir Barreto/ Agência Senado)
Plenário do Senado, em Brasília (Foto: Waldemir Barreto/ Agência Senado)

O Congresso Nacional aprovou, nesta sexta-feira (16/12), o projeto que institucionaliza a divisão de poder em relação às emendas do relator, popularmente chamadas de orçamento secreto.

Na Câmara dos Deputados, foram 328 votos a favor e 66 contra. Enquanto isso, no Senado, 44 parlamentares votaram pela aprovação, e 20 se disseram contrários.

Entre os senadores goianos, Luiz do Carmo e Vanderlan Cardoso (PSD) votaram a favor, e apenas Jorge Kajuru (Podemos) foi contra.

LEIA TAMBÉM: Congresso não vai recuar “um milímetro” em relação ao orçamento secreto, diz Arthur Lira

No caso dos deputados federais de Goiás, José Nelto (Progressistas) e Professor Alcides (PL) não votaram. Já Delegado Waldir (União Brasil) e Elias Vaz (PSB) foram contrários.

Os outros 13 apoiaram o projeto, que uniu parlamentares de partidos como o PT de Lula e o PL de Jair Bolsonaro. Veja abaixo os nomes:

  • Adriano do Baldy (Progressistas)
  • Alcides Rodrigues (Patriota)
  • Célio Silveira (MDB)
  • Dr. Zacharias Calil (União Brasil)
  • Flávia Morais (PDT)
  • Francisco Jr (PSD)
  • Glaustin da Fokus (PSC)
  • João Campos (Republicanos)
  • Jose Mário Schreiner (MDB)
  • Lucas Vergílio (Solidariedade)
  • Magda Mofatto (PL)
  • Major Vitor Hugo (PL)
  • Rubens Otoni (PT)

Entenda o projeto

Assinado pelos membros das mesas diretoras de ambas as Casas, o projeto determina que 15% fiquem nas mãos dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado (7,5% cada).

Além disso, 5% ficam com o relator da Comissão Mista de Orçamento (CMO), e 80% serão distribuídos entre os líderes das bancadas partidárias (56,7% na Câmara dos Deputados e 23,3% no Senado).

Para 2023, estão previstos R$ 19,4 bilhões para o orçamento secreto, que, tecnicamente, é conhecido pela rubrica RP9, sendo que pelo menos 50% tem que ser aplicado em saúde, educação e assistência social.

LEIA TAMBÉM: Lula sugere “orçamento participativo” para combater o orçamento secreto

Julgamento no STF

Em meio à aprovação no Congresso, o Supremo Tribunal Federal (STF) realiza julgamento sobre a manutenção das emendas relativas ao orçamento secreto.

O placar está em 5 a 4 contra a manutenção. A votação foi suspensa e será retomada na segunda-feira (19/12), após pedido dos ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, que ainda não votaram.

Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Kassio Nunes Marques e André Mendonça votaram a favor. Por outro lado, Rosa Weber, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Carmen Lúcia foram contrários.


Leia mais sobre: / / / Política