15 de junho de 2024
NOTA MÁXIMA • atualizado em 05/06/2024 às 17:31

Com nova nota A na Capag, Aparecida vai receber prêmio do Tesouro Nacional

Avaliação é crucial para gestores que buscam novos empréstimos com o aval do Governo Federal; município saiu de B em 2022 e voltou para nota máxima em 2023
Nota máxima foi bem recebida na Cidade Administrativa - Foto: Secom Aparecida / Brunno Moreira e Wigor Vieira
Nota máxima foi bem recebida na Cidade Administrativa - Foto: Secom Aparecida / Brunno Moreira e Wigor Vieira

A Prefeitura de Aparecida de Goiânia vai receber um prêmio no Ranking da Qualidade da Informação Contábil e Fiscal elaborado pela Secretaria do Tesouro Nacional por voltar a conquistar nota A na Capacidade de Pagamento (Capag). A Capag é uma análise do Tesouro realizada sobre a saúde fiscal de estados e municípios.

Essa avaliação é crucial para gestores que buscam novos empréstimos com o aval do Governo Federal, como ocorre com Aparecida.

A nota e o ranking são referentes ao exercício contábil de 2023. A premiação será realizada em Brasília no dia 17. O prêmio será recebido pelo prefeito Vilmar Mariano, o secretário municipal da Fazenda, Einstein Paniago, e o contador responsável, Márcio Gomes Costa.

Aparecida teve dez anos seguidos de notas máximas na Capag. Mais precisamente, entre 2011 e 2021. Em 2022 foi para a Nota B, e no seguinte voltou à melhor posição. A análise feita chegou à nota A considerando indicadores como endividamento (21,40%), poupança corrente (93,91%), liquidez (9,22%) e qualidade fiscal.

Equilíbrio e continuidade

Na Cidade Administrativa de Aparecida, a tônica é de que a gestão de Vilmar Mariano mantém o equilíbrio e a continuidade dos governos dos ex-prefeitos Maguito Vilela e Gustavo Mendanha, até melhorando os indicadores.

A autossustentabilidade coloca o município em boa posição nacionalmente, inclusive para buscar recursos tento a União como sua avalista.

As notas alcançadas são importantes para qualquer município, especialmente os que buscam fontes de recursos que levam esse controle fiscal em conta. Exemplo disso, Aparecida de Goiânia avança junto ao Banco de Desenvolvimento do BRICs (NDB). A cidade busca o terceiro financiamento externo.

Em fevereiro, como mostrou o Diário de Goiás, uma comitiva do NDB esteve na cidade vistoriando locais que irão passar por obras de infraestrutura. As obras estão previstas no financiamento junto ao BRICs, no valor de 150 milhões, com a contribuição da Prefeitura de Aparecida de US$ 30 milhões.

Na ocasião, o profissional sênior do Escritório Regional das Américas do NDB, Alexandre Takahashi, destacou que a instituição financeira considera a robustez de Aparecida no cenário nacional e a potencialidade de crescimento a partir do negócio.

“Município importantíssimo para o Brasil e principalmente para Região Centro-Oeste. Aparecida cresce com taxas impressionantes tanto na economia quanto em termos populacionais. Desde o início das tratativas, nós reconhecemos a importância da cidade”, enfatizou.


Leia mais sobre: / / / / / Aparecida de Goiânia / Cidades / Economia

Marília Assunção

Jornalista formada pela Universidade Federal de Goiás. Também formada em História pela Universidade Católica de Goiás e pós-graduada em Regulação Econômica de Mercados pela Universidade de Brasília. Repórter de diferentes áreas para os jornais O Popular e Estadão (correspondente). Prêmios de jornalismo: duas edições do Crea/GO, Embratel e Esso em categoria nacional.