13 de julho de 2024
Revisão • atualizado em 28/03/2023 às 15:35

Com garantia de mais clareza no edital, novo pregão de ônibus elétricos deve acontecer na última semana de abril 

O pregão realizado nesta segunda-feira (27) terminou sem nenhuma proposta apresentada
Pregão eletrônico deve acontecer na última semana de abril. (Foto: Secom)
Pregão eletrônico deve acontecer na última semana de abril. (Foto: Secom)

Em meio a dúvidas e estranhezas depois que a empresa Enel Brasil alegou “alteração” por parte da Metrobus no edital do pregão eletrônico dos ônibus elétricos para a frota do Eixo Anhanguera, a expectativa é que na primeira semana de abril seja lançado um novo edital com mais “clareza” e o pregão aconteça logo na última semana do mesmo mês.

“Ajustando o edital, que deve ser republicado no início de abril com a expectativa de que na última semana do mês [abril] ter um novo pregão eletrônico”, afirma o secretário de Governo, Adriano da Rocha Lima, ao Diário de Goiás.

O pregão eletrônico realizado nesta segunda-feira (27), restou deserto, ou seja, nenhuma empresa apresentou proposta. Ainda no sábado (25), a Enel Brasil entrou com pedido de impugnação para suspender a licitação.

A empresa alega que “dias antes” da realização do pregão, a Metrobus “alterou cláusulas do edital que impactam diretamente no custo das propostas”. Logo, a Metrobus negou que fez qualquer alteração no documento e vê com “estranheza” a “colocação” da companhia italiana.

Adriano da Rocha explica que não houve propostas no último pregão por questões “pequenas”. Segundo ele o imbróglio estava mais na questão dos financiadores, ou seja, os que financiam todo o processo de aquisição e aluguel dos ônibus.

“A questão estava mais em cima dos financiadores que no último momento um pouco motivados por São Paulo ter anunciado uma aquisição de mais de mil veículos, então eles não tiveram tempo de avaliar todo risco envolvido no contrato de 16 anos. Um dos pontos que eles chamaram atenção foi de ter mais clareza nas responsabilidades entre governo e fornecedor em relação a manutenção dos veículos”, explica o secretário.

Vale lembrar que a Metrobus permanecerá responsável pela operação dos serviços de transporte, enquanto caberá a futura empresa contratada fornecer os veículos 100% elétricos, tais como manutenção integral dos veículos, implantação e instalação da infraestrutura de recarga e suporte dos ônibus elétricos (locação de carregadores), e a adaptação da estrutura da oficina e da garagem da Metrobus, pelo período de 16 anos, para operação no Eixo Anhanguera e extensões (Goianira, Senador Canedo e Trindade).

Segundo a Enel, o valor unitário mensal a ser percebido pela futura contratada já engloba todo e qualquer custo relativo à prestação dos serviços objeto do contrato, inclusive a manutenção. Isto é, independentemente de quantas manutenções corretivas forem necessárias, o valor pago pela Metrobus será o mesmo.

Adriano garante que há empresas interessadas, portanto a questão é mais de esclarecimentos do que de falta de interesse. “Ao longo dessa semana faremos reuniões para ver se realmente os ajustes são apenas estes ou algum outro adicional que precisamos fazer para tornar mais claro o edital e as empresas possam direcionar corretamente seus custos e riscos. Porque há interesse claro em entrar no edital”, afirma.


Leia mais sobre: / / / Cidades

Leonardo Calazenço

Jornalista - repórter de cidades, política, economia e o que mais vier! Apaixonado por comunicação e por levar a notícia de forma clara, objetiva e transparente.