12 de agosto de 2022
Varíola • atualizado em 02/08/2022 às 15:56

Com 29 casos, SMS confirma transmissão comunitária de Monkeypox em Goiânia

Segundo a pasta, a maioria tem histórico de viagem para São Paulo, Rio de Janeiro, país com transmissão comprovada ou contato com pessoas que realizaram viagens a esses locais
Os pacientes são do sexo masculino, com idades entre 20 e 47 anos. (Foto: Divulgação / SMS)
Os pacientes são do sexo masculino, com idades entre 20 e 47 anos. (Foto: Divulgação / SMS)

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Goiânia, informa que até esta terça-feira (02), foram confirmados 29 casos de Monkeypox (varíola dos macacos) na capita. De acordo com a pasta todos são pacientes do sexo masculino, com idades entre 20 e 47 anos.

Segundo a SMS, a maioria tem histórico de viagem para São Paulo, Rio de Janeiro, país com transmissão comprovada ou contato com pessoas que realizaram viagens a esses locais. Em virtude da apresentação de pacientes confirmados que não têm histórico de viagem a locais com casos confirmados da doença, bem como contato com tais pessoas, a pasta confirma a transmissão comunitária na capital goiana.

NÃO DEIXE DE LER: SES-GO orienta sobre o aumento de casos da Monkeypox e os cuidados no retorno às aulas

Continua após a publicidade

Não há casos em internação hospitalar até o momento no município. Em todas as situações, os casos suspeitos e confirmados estão sendo monitorados pelo Centro de Informações Estratégicas e Vigilância em Saúde (Cievs) do município.

Cuidados

A SMS informa a população que, ao aparecerem quaisquer sinais ou sintomas, como febre alta súbita, dor de cabeça, aparecimento de inflamação de linfonodos (ínguas), erupções cutâneas e mal-estar, é necessário que o paciente procure serviço de saúde para fazer avaliação clínica necessária.

No caso de Goiânia, todas as unidades de saúde já estão capacitadas para realização desses atendimentos.

Continua após a publicidade

Transmissão

A SMS explica que a transmissão ocorre por contato físico com alguém que tenha sintomas, contato com as lesões, crostas, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados, como roupas de cama e talheres que tenham sido utilizados por pessoas que estejam sintomáticas.