28 de maio de 2024
ATENÇÃO À MALÁRIA • atualizado em 27/04/2024 às 15:41

Com 19 casos confirmados de malária, Saúde faz monitoramento permanente contra doença

Este ano já são 63 registros da doença, 19 confirmados; secretaria alerta que diagnóstico precoce ajuda a evitar complicações
Doença é transmitida pela fêmea do mosquito Anopheles - Foto: reprodução Agência Fiocruz de Notícias
Doença é transmitida pela fêmea do mosquito Anopheles - Foto: reprodução Agência Fiocruz de Notícias

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) já notificou 63 casos de malária em Goiás este ano, dos quais 19 foram confirmados. Apesar de serem todos de pessoas que viajaram para outros locais, como a região Amazônica, a pasta tem executado monitoramento permanente para erradicar a doença. Em 2023, após três anos sem registros originados no estado, foram confirmados três casos “importados” – sendo que um deles, na Região Metropolitana de Goiânia, resultou em morte.

A SES explica que, quando há casos com origem local, é iniciada a investigação epidemiológica. Esse trabalho inclui a busca ativa de familiares e moradores da região onde houve o registro, que são submetidos a testes diagnósticos. A pasta também trabalha com capacitações a profissionais de saúde para garantir o diagnóstico e tratamento precoces.

HDT é referência

Na rede estadual, a maioria dos atendimentos é feita pelo Hospital Estadual de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT).

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, com ampla distribuição mundial, causada por protozoários do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada da fêmea do mosquito Anopheles infectada. Os sintomas incluem febre, calafrios, cefaleia, sudorese, mialgia, náusea e vômitos. O quadro clínico pode ser leve, moderado ou grave. Na fase inicial, a malária se confunde com outras doenças infecciosas.

“Por isso a importância de perguntar, durante a anamnese desse paciente, seu deslocamento nos últimos 15 dias, para saber se o mesmo esteve em alguma região ou país endêmico para malária”, destaca o biomédico da Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis da Superintendência de Vigilância em Saúde, Hélio Filho, técnico responsável pelo programa de malária da SES.

Saúde monitora malária

O diagnóstico é feito por testes rápidos e/ou análise microscópica de lâminas de sangue. Ambos são realizados pela rede pública goiana, pelo Laboratório Estadual de Saúde Pública Dr. Giovanni Cysneiros (Lacen-GO), que é a referência de Goiás para o diagnóstico. A malária, se diagnosticada e tratada precocemente, não leva a complicações. Os medicamentos estão disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Para as pessoas que vão viajar para regiões de mata ou endêmicas (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins), orienta-se fazer uso de repelentes, exceto crianças menores de 2 anos sem orientação médica. Também é recomendado proteger áreas do corpo que o mosquito possa picar. O uso de cortinados e mosquiteiros sobre a cama ou a rede é mais uma medida. A prevenção ainda inclui evitar locais próximos a criadouros naturais de mosquitos, como beira de rio ou áreas alagadas.


Leia mais sobre: / / Cidades / Notícias do Estado / Saúde

Marília Assunção

Jornalista formada pela Universidade Federal de Goiás. Também formada em História pela Universidade Católica de Goiás e pós-graduada em Regulação Econômica de Mercados pela Universidade de Brasília. Repórter de diferentes áreas para os jornais O Popular e Estadão (correspondente). Prêmios de jornalismo: duas edições do Crea/GO, Embratel e Esso em categoria nacional.