16 de julho de 2024
Publicado em • atualizado em 05/06/2024 às 11:41

Portuguesa Ana Laíns se apresenta em Goiânia, em concerto “Mátria Língua”, com participação de Maria Eugênia

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Conhecida como a “cantora colorida”, a fadista Ana Laíns, de Portugal, se apresenta em Goiânia no próximo dia 13 de junho (quinta-feira), em um concerto intimista intitulado “Mátria Língua”. O espetáculo, em homenagem à Língua Portuguesa e à Lusofonia, acontecerá no Teatro Sesi, com início previsto para às 19h45.

A artista, de 44 anos de idade, subirá ao palco acompanhada pelos músicos Paulo Loureiro (piano, voz e direção musical), Carlos Lopes (acordeão e voz) e Ricardo Silva (guitarra portuguesa). “Convido a todos a conhecer um Portugal mais eclético, mais diverso e multicultural”, destaca a cantora. A apresentação retrata os séculos de história do país e celebra os 500 anos de Camões, além “desdramatizar” o Fado de Lisboa.

O espetáculo contará, ainda, com participação especial da cantora Maria Eugênia, que subirá ao palco para cantar, ao lado de Laíns, o “Fado de Vila Boa” e “Fado Tropical”. A cantora goiana possui proximidade com Portugal, visto ter estreitado os seus laços com o país no ano de 1998, quando participou da Expo Lisboa. Em 2008, Eugênia retornou às terras portuguesas com o show acústico “Corda e Canto”, apresentado em várias cidades.

O espetáculo

Com duração de 1h30, o espetáculo conta com a interpretação de músicas de cantores brasileiros que fizeram história em Portugal. Entre eles: Ivete Sangalo, Elis Regina e Fafá de Belém. “Em Portugal, ouvimos muita música brasileira. É uma realidade para mim desde sempre”, sublinha Ana Laíns.

O repertório também inclui versos de poetas lusitanos como Fernando Pessoa, Florbela Spanca e Sophia de Mello Breyner, além de uma visita à escrita da poetisa carioca Cecília Meireles. “Ainda faremos uma homenagem a outros importantes nomes da música e da literatura com o doce sotaque do Brasil. Carlos Drummond de Andrade com “Parolagem da Vida” e “Sou Dual” de Ana Laíns e Ivan Lins, são duas das canções que poderão ser ouvidas durante o concerto”, revela a cantora.

O concerto também explora o Fado e as suas origens, os ritmos tradicionais portugueses que muitas vezes se cruzam com os ritmos brasileiros. Ana ainda cantará em Mirandês, considerada a segunda língua oficial de Portugal, falada no Noroeste da Península Ibérica.

O espetáculo em Goiânia se dá em função de convite feito pela diretoria da Câmara de Comércio Brasil Portugal Centro-Oeste – Sucursal Goiás (CCBP-GO), com apoio da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil.

O evento comemora o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em todo o mundo. Os ingressos podem ser adquiridos pelo Sympla, com o valor único de R$ 175,00. Mais informações a respeito do evento podem ser adquiridas por meio dos telefones (62) 3604.0700 e (62) 99989.9429.

Biografia da artista

Apaixonada por música desde os 6 anos de idade, Ana Laíns se profissionalizou na área aos 19 anos de idade. Atualmente, conta com quatro discos lançados e mantém parceria de longa data com o compositor carioca Ivan Lins e com a cantora paraense Fafá de Belém.

“Não escondo o imenso amor e admiração que tenho pelo Brasil e sua cultura. Sinto o Brasil como Portugal: um pouco meu”, declara a cantora. Em 2021, Ana Laíns fez sua primeira turnê brasileira começando por Salvador (BA), Fortaleza (CE) e em Brasília (DF). Em 2022, esteve em Belo Horizonte (MG). Em 2024, regressa a Belo Horizonte, visita Goiânia pela primeira vez, e segue para Fortaleza onde termina suas apresentações.

Com 25 anos de profissão, a artista multifacetada, conhecida por “cantora colorida” em Portugal, a quem os gregos também chamam de “Diva de um Fado diferente”, e os franceses de “virtuosa do palco”, segue na construção de uma carreira discreta, sólida e autossuficiente.

“Gosto de ser conhecida como a “Cantora Colorida”, onde as cores representam em grande parte a positividade que esbanjo em minhas músicas que conferem uma qualidade mais contemporânea e universal da música portuguesa”, destaca Ana Laíns.