15 de julho de 2024
Publicado em • atualizado em 10/05/2024 às 15:43

Para a minha e para todas a mães amigas

Faz pouco tempo que entendi que nem todas as relações de mãe e filha são como a nossa. De dentro da minha bolha de amor, amizade, carinho e afinidades, não conseguia enxergar os meus tantos privilégios. O maior deles, sem dúvida, é ter uma mãe como melhor amiga. O que a gente tem não é pouco e não é comum. Agora sei que nem todas as relações de mãe e filha são assim.

A nossa ligação é tão forte, que a gente se entende só de se olhar. Gostamos das mesmas coisas, compartilhamos descobertas, interesses, hobbies. Fazemos tudo juntas. Sempre juntas, desde o dia em que me teve pela primeira vez nos seus braços. De lá para cá, o mundo deixou de ser seu pra ser nosso. 

O maior amor do mundo, hoje, eu sei que existe por causa dela. Porque ela me ensina todos os dias que a maternidade pode sim transformar filhos em melhores amigos. Ela me criou pra ser, além de filha, uma amiga. Pra confiar, desde sempre, em poder contar meus medos, meus planos, meus sonhos, meus erros, minhas inseguranças. Porque ela também me fez ter vontade de ser uma mãe tão incrível quanto ela, um dia. 

De todas as grandes coisas da vida, a maior delas é o privilégio de ser sua filha de uma mãe amiga, parceira. Da companhia certa, seja pro café ou para um show. Da alegria e da vontade de viver, seja em casa ou numa viagem à praia. Do colo afetuoso, seja pra chorar ou pra sorrir. Da confiança de saber que ela vai estar lá pra mim e eu para ela, independente do que aconteça.

Eu te amo com cada célula do meu corpo, mãe. Agradeço todos os dias por ter o privilégio de poder estar tendo tempo, saúde e disposição para aproveitar cada minuto do seu lado. O que a gente tem é lindo, é sobrenatural, é amor infinito, dessa e de outras vidas. Feliz dia das mães.

Luana Cardoso Mendonça

Jornalista em formação pela FIC/UFG, Bióloga graduada pelo ICB/UFG, escritora e eterna curiosa. Compartilho um pouco do mundo que eu vejo, ouço e vivo, em forma de palavras, afinal, boas histórias merecem ser contadas