28 de fevereiro de 2024
Publicado em • atualizado em 24/11/2023 às 12:05

Orquestra Filarmônica de Goiás apresenta espetáculo ‘Pioneiros’ nesta sexta (24)

A fusão de talento e maestria, sob a regência do maestro Neil Thomson, promete uma experiência envolvente. (Foto: Cinthia Oliveira).
A fusão de talento e maestria, sob a regência do maestro Neil Thomson, promete uma experiência envolvente. (Foto: Cinthia Oliveira).

Nesta sexta-feira (24), a Orquestra Filarmônica de Goiás apresenta, às 20 horas o espetáculo musical ‘Pioneiros’, no Teatro Goiânia. A fusão de talento e maestria, sob a regência do maestro Neil Thomson, promete uma experiência envolvente e emocionante.

A apresentação terá única sessão, na qual o público será envolvido por composições magníficas de Franz Liszt, Ruth Crawford Seeger, Samuel Coleridge-Taylor e Sibelius, destacando as contribuições inovadoras desses pioneiros musicais.

Reconhecido internacionalmente como um dos melhores grupos orquestrais da América Latina, a Orquestra Filarmônica de Goiás recebeu críticas positivas da revista inglesa Gramophone, uma das maiores do mundo em música clássica.

Compositores pioneiros

Franz Liszt: Foi um compositor húngaro romântico e inventou o gênero do Poema Sinfônico. Prometeu é uma obra vividamente dramática, cheia de espírito romântico.

Ruth Crawford Seeger: Foi uma das compositoras norte-americanas mais originais e ousadas do século XX. Mesmo negligenciada, ela escreveu músicas que estavam muito à frente de seu tempo. “O Andante para cordas foi escrito em 1931, mas poderia muito bem ter sido escrito na década de 1960”, diz o maestro Neil Thomson.

Samuel Coleridge-Taylor: “Foi, no início do século 20, o compositor britânico mais famoso do mundo e o primeiro compositor negro a alcançar a fama”, conta Thomson. “A Balada é uma de suas melhores obras”, completa.

Sibelius: O concerto ‘Pioneiros’ termina com a Terceira Sinfonia de Sibelius. “Esse grande compositor finlandês utilizou a música folclórica e os padrões de fala da Finlândia natal para revitalizar o gênero sinfônico no início do século XX”, comenta o maestro.

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019