25 de junho de 2022
Publicado em • atualizado em 09/10/2021 às 10:17

Lúcio Flávio: “Legado da gestão na OAB-GO está depositado nas mãos de Rafael Lara”

Lúcio Flávio confia em Lara a sucessão da presidência na OAB-GO. Campanha foi lançada na última quinta-feira (07) (Foto: Divulgação)
Lúcio Flávio confia em Lara a sucessão da presidência na OAB-GO. Campanha foi lançada na última quinta-feira (07) (Foto: Divulgação)

Certo de que fez um excelente trabalho ao longo dos últimos seis anos tocando a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Goiás (OAB-GO), o presidente da entidade, Lúcio Flávio de Paiva aposta as fichas na candidatura do advogado trabalhista Rafael Lara para dar sequência ao seu legado. Com chapa registrada, o diretor da Escola Superior de Advocacia vai à campanha pedir votos com o apoio do atual mandatário.

Na terceira e última parte da entrevista que Lúcio Flávio concedeu ao jornalista e editor do Diário de Goiás, Altair Tavares o assunto foi político. A construção de uma candidatura da situação, as dissidências que se formaram e o seu futuro frente a Ordem dos Advogados do Brasil. A transmissão feita na última terça-feira (05/10) estará disponível na íntegra ao final desta matéria. 

NÃO DEIXE DE LER: Eleições OAB-GO: “Estão transformando uma tragédia em plataforma eleitoral”, dispara Lúcio Flávio

Continua após a publicidade

O presidente não nominou outras candidaturas mas o atual presidente da Casag, Rodolfo Otávio, eleito na chapa que lhe elegeu, preferiu seguir voo-solos e lançou candidatura própria. Valentina Jungmann, eleita conselheira federal no último pleito no mesmo palanque também. Por outro lado, apesar de respeitar, lamenta o que chamou de ‘dissidências oposicionistas”. 

“Nós lamentamos aqueles que optaram por abrir dissidências oposicionistas mas reconhecemos que todos tem legitimidade para postular o cargo de presidente da Ordem que é muito honorável. É honroso e importante ser presidente da OAB-GO, mas o patrimônio, legado que essa gestão deixa ele está depositado em mãos de Rafael Lara para sua continuidade”, destacou.

LEIA MAIS: “Recebi a OAB-GO mergulhada no caos administrativo e a entrego muito melhor”, afirma presidente Lúcio Flávio

Continua após a publicidade

O difícil processo em escolher o sucessor

Flávio destaca que o processo para escolha de sucessor não é fácil, mas que viu em Rafael Lara as características necessárias para que pudesse passar o bastão da Ordem. “Entendi que o doutor Rafael Lara Martins por tudo que fez na Escola Superior de Advocacia, por toda a revolução que ele promoveu no ensino jurídico dentro da OAB-GO. Pela sua história de balcão, começou sua história do zero e se construiu como um grande advogado trabalhista”, destacou.

Para Flávio, Lara terá duas principais missões ao longo dos próximos três anos: “Primeiro, conservar todo esse ganho e avanços que construímos e trazer para advocacia goiana, além da conservação que fizemos de bom, os avanços que são necessários de agora em diante”, introduziu trazendo à memória os primórdios de sua gestão antes de citar a segunda missão de Rafael. “Há 6 anos atrás, o que a advocacia de Goiás precisava era de um líder que moralizasse a instituição, e a soerguer-se e a reconstruísse. Isso nós fizemos.”

“Agora a advocacia goiana, com a casa em ordem, com uma instituição estabilizada, financeiramente saneada e moralmente bem colocada, a advocacia clama por uma liderança mais moderna que possa levar mais serviços e auxiliar a advocacia no seu exercício profissional. Na ponta da linha em que o advogado ainda sofre com os problemas que outras profissões sofrem. O Dr. Rafael Lara é o nome adequado para o atingimento desse objetivo e é esse o desafio que está posto.”

Da OAB-GO para o Conselho Federal da Ordem

Agora, a missão é eleger a chapa, para assumir uma cadeira no Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.  Eu postulo uma vaga como candidato ao Conselho Federal para que se a advocacia entender que o nosso caminho é correto eu possa levar a advocacia brasileira toda a experiência ao longo dos seis anos e possa lá também, contribuir para que mudanças que nós aqui no âmbito do estado que não possamos fazer, possamos fazer no âmbito nacional”, pontuou.

“Eu encerro a missão junto com a advocacia goiana na presidência da Ordem e como eu disse no início da nossa conversa, o faço com sensação de dever cumprido, por estar a entregar a advocacia uma instituição muitíssimas vezes melhor do que aquela que recebi, mas a minha missão com a Ordem e com a advocacia de Goiás não termina com esse meu mandato de presidente”