22 de abril de 2024
Publicado em • atualizado em 02/02/2024 às 12:27

“Caiado jamais se candidatou sem pesquisas”, diz Gracinha ao explicar estratégia que será utilizada em Goiânia

Gracinha Caiado em entrevista exclusiva ao DIário de Goiás (Foto: Reprodução/DG)
Gracinha Caiado em entrevista exclusiva ao DIário de Goiás (Foto: Reprodução/DG)

A primeira-dama e coordenadora do Goiás Social, Gracinha Caiado avalia que o governador Ronaldo Caiado (União Brasil) vai definir o candidato que representará a base governista pela disputa a Prefeitura de Goiânia nas eleições 2024 após avaliar diversas pesquisas de intenção de voto: “Como ele sempre fez até mesmo na campanha dele”, destaca em entrevista exclusiva ao blog Altair Tavares, do Diário de Goiás.

“Até onde eu conversei com o governador, haverá pesquisas para ver quem está na frente como ele sempre fez até mesmo na campanha dele”, destacou. “Se você analisar a vida política do Ronaldo, ele jamais se nomeou candidato a governador sem que realmente passasse por uma vida política”, pontuou. Ela relembrou a trajetória política do marido até chegar ao Palácio das Esmeraldas, em 2018.

“Ele foi candidato a deputado, a senador, ele colocou seu nome nas pesquisas e quando elas disseram que ele estava bem, ele se colocou candidato”, relembrou. Diante disso, Gracinha avalia que o governador não mudará a forma como vai conduzir o processo nas eleições 2024. “Não será diferente agora para o governo na capital de Goiânia”, destacou.

Quando questionada sobre se o nome de Jânio Darrot já era um consenso para o governador, Gracinha esquivou. “Eu não sei responder isso, porque ele não conversou comigo”, pontuou.

Gracinha concedeu a entrevista exclusiva durante anúncio de investimentos bilionários para empreendedores da cultura em Goiás. Ela aproveitou para usar uma estratégia que outros representantes do governo tem usado em discursos e outros eventos: críticas à gestões anteriores.

“No governo passado, não existia sequer a Secretaria de Cultura. Não existe lançar edital e não pagar. Lançar prêmio e não entregar. Isso é falta de credibilidade. Fico impressionado o quanto Goiás é rico se tratado com seriedade. Hoje reformamos escolas, presídios, igrejas, cavalhódromos… Não existe uma determinação do governador para obra sem que se tenha dinheiro antes. Na cultura, não é diferente”, destacou.

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .