29 de maio de 2024
Publicado em • atualizado em 30/05/2023 às 06:10

A visão caiadista sobre a gestão Rogério Cruz

Em conversas reservadas, Caiado relata preocupação com a condução do prefeito Rogério Cruz no Paço Municipal (Foto: Divulgação)
Em conversas reservadas, Caiado relata preocupação com a condução do prefeito Rogério Cruz no Paço Municipal (Foto: Divulgação)

O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) tem dito a auxiliares que se preocupa com todas as cidades de Goiás, mas mira com mais atenção seus olhos a Goiânia por ser a capital do Estado e se preocupa com as recentes articulações que o prefeito Rogério Cruz (Republicanos) têm feito buscando sair da crise com a Câmara dos Vereadores e obter governabilidade para o resto de seu mandato.

Uma fonte ligada ao governador destaca que Caiado acompanha de perto a condução que Goiânia tem recebido sob a égide de Rogério Cruz. E está preocupado diante da crise, no entanto, o chefe do executivo ressalta que está nas mãos do republicano as soluções que Goiânia precisa. “Eu posso até ajudar, mas quem tem que resolver é ele”, diz reservadamente a auxiliares.

Uma eventual intervenção estadual no Paço Municipal também não está nos planos de Caiado. O assunto preocupou alguns vereadores e virou motivo de burburinho nos corredores da Câmara dos Vereadores após a abertura da Comissão Especial de Inquérito que apura irregularidades na Comurg. 

“Essa hipótese nunca chegou a ser ventilada”, destaca a fonte. “Estamos a um ano das eleições e o governador não tomará uma medida tão drástica quanto essa”, pontuou. 

O tema foi alvo de conversas entre parlamentares que temiam a abertura de um processo de impeachment contra Cruz. A intervenção seria um mecanismo usado apenas se a insaturação fosse aberta.

Com os vereadores minimizando o poder de fogo contra Rogério Cruz, o assunto – tanto de impeachment como de intervenção, acabou sendo varrido para baixo do tapete. Agora, Cruz mira seus esforços numa reforma de secretariado que parece não terminar. Ele já acomodou Avante, Solidariedade e concedeu mais espaço ao Republicanos no primeiro escalão.

Agora, espera ter apoio do PP e mantém conversas com o PDT e a bancada de vereadores do MDB para um eventual apoio administrativo. Os emedebistas defendem que uma decisão sobre cargo majoritário nas eleições de 2024 fique apenas para o ano que vem. O vice-governador e presidente da sigla em Goiás, Daniel Vilela, mesmo, ainda não foi procurado para uma conversa.

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.