logomarcadiariodegoias2017

marcos das neves seduce foto facebook reprod.jpg

Com a saída de Raquel Teixeira da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), assume de forma interina o secretário Marcos das Neves. Segundo o secretário, a prioridade no restante do mandato de José Eliton (PSDB), que assumiu o governo de Goiás neste sábado (7), será a consolidação dos programas que ajudam a aumentar a proficiência dos estudantes.

“A prioridade na educação é a manutenção e consolidação dos programas que aumentam a proficiência do aluno. Temos vários programas nesse sentido, o Goiás Enem virá forte, com 200 polos no Estado, o Aprender+ já está em todas as escolas do Estado, em todas as séries”, afirmou.

Marcos das Neves ressaltou que seu trabalho à frente da Seduce será de continuidade do planejamento de Raquel Teixeira.

“Eu dou continuidade a um trabalho exitoso, é um trabalho exemplar. Eu venho para dar continuidade ao que a professora Raquel fez durante esses três anos e três meses, sob o comando do governador Marconi Perillo, que eu entendo ser o desejo do governador José Eliton também, uma vez que está correndo muito bem. Estamos às vésperas da divulgação do Ideb, por exemplo, onde Goiás sempre desponta como os primeiros colocados do Brasil. hoje à tarde, por exemplo, teremos a primeira reunião do secretariado e se houver alguma recomendação especial, tenho certeza que o dr. José Eliton fará e eu atendei prontamente”, disse.

Organizações Sociais

Questionado sobre a implantação das Organizações Sociais (OS’s) na Educação, que ainda está em discussão, o secretário interino informou que a Secretaria está aberta ao diálogo, mas que ainda há a expectativa de que as OS’s sejam implantadas até o final de 2018.

“As OS ainda não foram implantadas por discussões no âmbito do Judiciário. Em outros estados, como na Paraíba, as OS foram implantadas com muito sucesso. Nós temos esperança e expectativa de que consigamos, até o final do mandato, implantar as OS em algumas escolas até para que possamos ver se funciona ou não, se é bom ou não, sempre garantindo o nosso quadro de professores e servidores efetivos, assim como os temporários, que serão beneficiados com as OS com um tipo de contrato mais sólido e com maior continuidade. Acreditamos muito na proposta, porém estamos abertos a ouvir todas as vertentes do processo educacional, que não é só a Secretaria. Temos que ouvir a comunidade, temos que ouvir os professores, diretores, coordenadores regionais, enfim. A proposta está na mesa, mas a discussão está aberta”, concluiu. 

Leia mais:

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

SEARCH