20 de fevereiro de 2024
Alerta

Casal e mais quatro pessoas tem mortes por febre maculosa confirmadas em São Paulo

Situação ascendeu alerta de autoridades de autoridades no estado
A febre maculosa é uma doença infecciosa, causada por uma bactéria transmitida por meio da picada do carrapato-estrela. (Foto: reprodução)
A febre maculosa é uma doença infecciosa, causada por uma bactéria transmitida por meio da picada do carrapato-estrela. (Foto: reprodução)

O Instituto Adolfo Lutz confirmou nesta terça-feira (13) que houve mais duas mortes por febre maculosa no estado de São Paulo. A do piloto de automobilismo Douglas Costa, de 42 anos, e de Evelyn Karoline Santos, de 28 anos, que mora em Hortolândia, no interior do estado. Confirmações vem logo após o diagnóstico da moléstia da namorada de Douglas, a dentista Mariana Giordano, de 36 anos, nesta segunda-feira (12).

Douglas e Mariana morreram em 8 de junho após apresentarem, entre os dias 3 e 5, febre alta, dores e manchas vermelhas no corpo. Com estas três mortes, o estado de SP tem, em 2023, um total de seis óbitos confirmados pela doença.

Outro caso entre os mais recentes, que está sendo investigado pela Secretaria de Saúde de São Paulo, é o de uma adolescente de 16 anos. De acordo com a pasta, a jovem esteva na fazenda Santa Margarida, no distrito de Joaquim Egídio, em Campinas, como outras pessoas que morreram. Ela está internada em um hospital da cidade.

Após os casos e óbitos, situação ascendeu alerta nas autoridades. A Prefeitura de Campinas, por meio do Departamento de Vigilância em Saúde, por exemplo, afirmou que fez uma série de ações de prevenção, informação e mobilização contra a febre maculosa na fazenda Santa Margarida e que a fazenda em questão só poderá realizar novos eventos quando apresentar um plano de contingência ambiental e de comunicação.

Sobre a febre maculosa

A febre maculosa é uma doença infecciosa, causada por uma bactéria transmitida por meio da picada do carrapato-estrela. Após a transmissão, a pessoa apresenta, já nos primeiros dias, febre alta, dores e manchas, mas há casos assintomáticos mais graves, com grandes chances de morte.

Em São Paulo, são duas as espécies da bactéria. Até hoje, em São Paulo, os municípios de Campinas e de Piracicaba, são os dois que mais acumulam casos registrados da doença. Ambos, Rickettsia rickettsii e a Rickettsia parkeri, são potencialmente letais e necessitam de rápido atendimento.

Em caso de suspeitas, deve-se procurar atendimento médico o mais rápido possível para que a pessoa possa tomar os antibióticos necessários que combatam a infecção.


Leia mais sobre: Saúde

Carlos Nathan Sampaio

Jornalista formado pela Universidade Federal e Mato Grosso (UFMT) em 2013, especialista Estratégias de Mídias Digitais pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação de Goiânia - IPOG, pós-graduado em Comunicação Empresarial pelo Senac e especialista em SEO.