13 de julho de 2024
Mudanças

Câmaras temáticas devem ser peças chaves para a formação do novo Plano Diretor de Pirenópolis

O objetivo é nivelar o levantamento técnico e a leitura da comunidade sobre cada tema específico que deve integrar discussões sobre o desenvolvimento do município
Foto: Divulgação/Assessoria
Foto: Divulgação/Assessoria

Com o objetivo de realizar debates, levantamentos e estudos técnicos para elaboração de propostas com base em diagnósticos, que visem a revisão da lei e criação do novo Plano Diretor de Pirenópolis, as Câmaras Temáticas se tornaram importante instrumento de construção conjunta.

De acordo com o consultor do Instituto de Desenvolvimento Tecnológico do Centro-Oeste (ITCO), o arquiteto e urbanista Luiz Fernando Cruvinel, as Câmaras Temáticas de revisão do Plano Diretor envolverão os temas: Desenvolvimento Econômico, Desenvolvimento Sociocultural, Meio Ambiente, Habitação e Mobilidade Urbana. O urbanista afirma que as câmaras são importantes para identificar questões que possam ter passado despercebidas na análise técnica.

As discussões conjuntas com a população da cidade ajudam a nivelar o que as pessoas pensam sobre cada tema específico. “Embora um grupo composto por técnicos faça uma análise bem elaborada, também é preciso analisar as questões subjacentes levantadas pelo pirenopolino, que às vezes passa imperceptível na análise técnica”, explica.

As atividades das Câmaras Temáticas são coordenadas por especialistas daquele tema, acompanhadas por representantes de diversos segmentos da sociedade e do poder público, além de equipe técnica e administrativa da Secretaria de Planejamento, responsável pelo Plano Diretor. Conforme as discussões e propostas, diagnósticos são levantados para revisão do Plano.

Segundo Luiz Fernando, essas reuniões são importantes para que os técnicos possam identificar interesses da população, bem como pensamentos divergentes sobre uma mesma questão.“Essas necessidades são evidenciadas pela comunidade no momento em que são debatidos os temas. Posteriormente, em outro momento, na audiência pública, a população é novamente convocada a participar e confirmar suas demandas prioritárias”, ressalta.

O especialista destaca que “o projeto é feito para todos”. O papel de quem está à frente de uma revisão da lei do Plano Diretor é equilibrar os pensamentos discordantes de uma forma que possa atender uma demanda geral.


Leia mais sobre: / / Cidades