24 de junho de 2024
Cenário econômico

Caiado defende permanência de Goiás no RRF em reunião com Haddad

Governador citou perda de R$ 5,5 bilhões em arrecadação, motivada pela queda da incidência de ICMS sobre combustíveis, energia e comunicações
Governador Ronaldo Caiado e ministro Fernando Haddad se reuniram em Brasília. Foto: Júnior Guimarães
Governador Ronaldo Caiado e ministro Fernando Haddad se reuniram em Brasília. Foto: Júnior Guimarães

O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) defendeu a permanência de Goiás no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) em reunião com o ministro da Economia, Fernando Haddad, nesta quinta-feira (10), na sede do ministério, em Brasília. Também participaram do encontro gestores do Tesouro Nacional e a secretária de Economia de Goiás, Selene Peres.

“Demonstramos aqui que o Estado foi duramente penalizado quando se aprovou a queda da incidência de ICMS sobre combustíveis, energia e comunicações. Perdemos R$ 5,5 bilhões em arrecadação”, afirmou o governador.

Goiás foi surpreendido com uma nota técnica do Tesouro Nacional, que recomendou a exclusão do Estado do RRF por já ter atendido todas as condicionantes do regime, segundo Caiado. O rigor econômico da gestão goiana foi destacado pela equipe técnica do ministério.

Perdas fiscais e outros fatores justificariam permanência de Goiás no RRF

O governador explicou que é preciso considerar as perdas fiscais provocadas por novas legislações federais. “Nossa secretária da Economia fez uma exposição detalhada do impacto causado principalmente pelas leis 192 e 194. São situações que exigem nossa permanência no regime”, ressaltou.

Caiado enumerou algumas condicionantes. “Alteraram e determinaram o piso dos professores, também o piso de enfermagem. Tudo isso com reflexo direto dentro do Estado”.

De acordo com a secretária de Estado da Economia, Selene Peres, há um planejamento para que Goiás deixe o RRF, mas não agora. “Precisamos permanecer no Regime porque há receitas extraordinárias e perdas de arrecadação que não foram consideradas no cálculo do equilíbrio fiscal”, sublinhou.

A previsão é de que Goiás permaneça no RRF até 2029. A expectativa é de que a nota que sugere a saída do Estado seja reavaliada pelo Ministério para que as novas perdas de arrecadação que comprometem o orçamento goiano sejam apreciadas.

LEIA TAMBÉM: Secti lança novo programa de aceleração de empresas para startups de Goiás


Leia mais sobre: / / / / / / Economia / Política

Vinicius Martins

Jornalista por formação com MBA em Marketing e Estratégia Digital.